Seguidores

MALDIÇÃO HEREDITÁRIA 2

Maldição Hereditária: Falsa Doutrina com Aparência de Piedade


Introdução
         A doutrina da Maldição Hereditária enquadra-se nas palavras inspiradas do Apóstolo Paulo: “Tendo aparência de piedade, mas negando a eficácia dela” (2Tm 3.5). Ela tem “aparência” de “batalha espiritual”, quando seus promotores — “misericordiosos” — querem sanar os problemas de inúmeros crentes decretando quebras de “males passados”. Todavia, só tem máscara: é heresia, é demoníaca, porque invalida o perfeito sacrifício de Cristo na cruz.


1 – O Surgimento da Heresia

          Nos dias do sacerdote e profeta Ezequiel, contemporâneo do profeta Jeremias no cativeiro babilônico, entre os anos 595 e 574 a.C., havia uma crença entre os hebreus em que os pecados praticados pelos pais — em desrespeito às normas da religião judaica — eram transportados como maldição para os filhos. Asseguravam-se, entretanto, numa parte do segundo mandamento, em Êxodo 20.5. De fato, existia um provérbio entre a população hebreia: “Os pais comeram uvas verdes, e os dentes dos filhos se embotaram” (cf. Ez 18.2). A expressão “uvas verdes” é uma referência às transgressões praticadas pelos pais, e “dentes embotados” — transmite a ideia da consequência, isto é, os filhos pagariam pelos erros de seus antepassados. Deus proibiu tal dito entre os judeus: “Vivo eu, diz o Senhor DEUS, que nunca mais direis esta parábola em Israel” (Ez 18.3). Pode até ter havido casos de credulidade nessa teoria no decorrer da história; todavia, essa crendice, em massa, não mais repercutiu. Dissipou-se.
       A doutrina da Maldição Hereditária ressurgiu através de alguns teólogos norte-americanos em meados de 1970. Concomitantemente nos anos oitentas, ganhou força e popularidade através da obra “Break the Generation Curse” — Quebra da Maldição Hereditária —, da autoria de Marilyn Hickey — professora de teologia, palestrante, escritora e pregadora. No Brasil, ganhou campo através dos neopentecostais, de sorte que se destacam os propagadores dessa doutrina: Jorge Linhares, Robson Rodovalho, Neuza Itioka, Valnice Milhomens, Daniel Mastral, Agenor Duque, etc.
            Atualmente, existem muitas literaturas para esclarecer o assunto, já que é conflitante entendê-lo. Um dos nomes mais proeminentes, na área da escrita, para divulgar essa doutrina é Rebeca Brown, nos livros: “Maldições Não Quebradas” e “Ele veio para Libertar os Cativos”.


2 – A Conceituosidade da Maldição Hereditária

         a) O que é maldição? É a “ação ou estado de amaldiçoar; palavras que expressam o desejo de que algo ruim aconteça ou algo; algo que denota consequências desagradáveis”[1].

          b) O conceito da Maldição Hereditária. Consoante o Dicionário de Religiões, Crenças e Ocultismo:

      É a corrente que ensina que, mesmo após a conversão, o cristão que não quebrar maldições herdadas dos antepassados, pedindo perdão dos pecados por eles cometidos, não conseguirá jamais se libertar de certos vícios, como o alcoolismo, as drogas, o adultério, a pornografia, etc.[2]

          Ou seja, mesmo depois da aceitação de Cristo como Salvador, as maldições não são quebradas. Certos problemas — devastadores da sociedade — são provenientes de seus ascendentes (pais, avós, bisavós, trisavós), etc., e arruínam-se em seus descendentes (filhos, netos, bisnetos, trinetos). São maldições de família, e, por conta disso, é assolada a maior parte da população, incluindo crentes. Problemas de depressão, alcoolismo, homossexualidade, ignorância, drogas, divórcio, brigas, tendência suicida e assim por diante, são provas — segundo alguns — que as maldições passam de pai para filho, de geração a geração.
             Segundo Jorge Linhares — um dos pregadores do ensino em apreço:

           A maldição é a autorização dada ao diabo por alguém que exerce autoridade sobre outrem, para causar dano à vida do amaldiçoado (...). A maldição é a prova mais contundente do poder que têm as palavras. Prognósticos negativos são responsáveis por desvios sensíveis no curso da vida de muitas pessoas, levando-as a viver completamente fora dos propósitos de Deus (...). As pragas se cumprem.[3]

             Conforme Robson Rodovalho — difusor de tal doutrina:
         
         Maldição são espíritos que visitam as famílias trazendo morte prematura, adultério, abuso sexual, violência, enfermidade etc. Devemos até fazer nossa árvore genealógica. Como dissemos antes, herdamos e possuímos a herança genética de até dez gerações… Temos que interceder e pedir perdão por pecados que aqueles antepassados cometeram, e quebrar os pactos que fizeram.[4]
     

          Rebeca Brown — um dos maiores vultos na exposição da Maldição Hereditária na atualidade, e perita no assunto — define:

          Tais problemas afetam igrejas inteiras, assim como a vida de pessoas em particular. Muitas igrejas caracterizam-se por nelas ocorrerem muitos divórcios e outros problemas dessa ordem em sua membresia. Muitos lutam por anos, mas nunca prosperam nem crescem espiritualmente. Com frequência se dividem e mudam sempre de pastor. Mesmo quando parece que passam por um período de avivamento e de crescimento, logo tudo se perde: muitos membros saem, e a igreja acaba voltando à condição em que estava antes. Por que esse ciclo destrutivo ocorre? Tais situações desencorajadoras podem resultar de vários fatores diferentes, mas uma razão, que normalmente é despercebida, é haver uma maldição na vida de alguém, ou em sua família, que nunca foi quebrada. Muitas igrejas estão também debaixo de maldições. Esta é uma área que tem sido muito negligenciada no ensino cristão hoje em dia.[5]

        c) Os outros nomes da Maldição Hereditária. Várias expressões são usadas para nomear a Maldição Hereditária, tais como “Maldição de Família”, “Pecado de Geração”, “Maldição de Geração” e “Maldição não Quebrada”.


3 – Meios de Quebrar as Maldições de Família

           Conforme os pregadores da Maldição Hereditária, há caminhos certos a trilhar para o rompimento desse mal. Dentre tantos meios apregoados em várias denominações, expusemos os principais.

           a) Descobrir as causas através de conversas e indicar livros de autores especialistas no assunto. Faz-se necessário inteirar-se das áreas de batalha espiritual e quebra de maldição por pessoas capacitadas. Não são todos os cristãos que podem desfazer esse mal, ainda que usem o Nome de Jesus. Quem está debaixo da Maldição de Família deve confessar — seja em conversas longas, seja em cursos especializados, seja em campanhas — toda a sua conduta, expor problemas de infância, palavras que a influenciaram viver assim, revelar acontecimentos desastrosos durante a vida, etc. Algumas igrejas indicam livros de especialistas no assunto, a fim de a pessoa ler e entender a Maldição de Geração que a afeta. Seguidamente, orará e buscará a libertação. Há igrejas que apenas realizam campanhas para tal fim.

        b) Fazer correntes, campanhas e confessar os erros dos antepassados para Deus. Trata-se de lembrar todas as palavras contrárias lançadas pelos pais, avós, etc. em momentos gritantes da vida. É mister recordar, ainda, o procedimento do pai e da mãe no passado, isso mesmo antes da concepção. Caso seja necessário, precisa-se fazer — até mesmo — a árvore genealógica da família, a caso de ver onde reside o mal. De mais a mais, indagar sobre a causa de tanta perturbação e a respeito de não conseguir obter a libertação. Por consequência, vêm as correntes e as campanhas para total quebra do jugo. Esse elo não é rompido através da leitura da Santa Palavra, nem de entoar louvores inspirados, nem do repúdio ao pecado, nem da busca incessante nos cultos de oração, nem da ida à igreja, nem pelo jejum, etc. Só é destruído pelas correntes e campanhas específicas; ademais, em tais campanhas e/ou correntes, são feitos propósitos de valores exorbitantes, através de “objetos de fé” que lhe são entregues, pois a pessoa deve “sacrificar” e “lutar” duma maneira ou doutra para obtenção da quebra dos males na família.

          c) Determinação. É ordenar, decretar que a maldição não deve permanecer. É “bater o pé no chão” com firmeza e exprimir palavras otimistas, como exemplo: “Eu não aceito esse mal em mim”; “Eu determino a retirada da maldição dos meus pais”; “Eu nasci para vencer”; “Se for para ser cristão assim eu voltarei para o mundo”; “ou Deus me abençoa mudando a minha vida quebrando as maldições ou, então, me desviarei da igreja”; “Eu profetizo” “Eu quero mudança: eu decreto, eu ordeno, eu determino”.

          d) Amaldiçoar Satanás. Muitos xingam e insultam o Diabo, porque é o autor da maldição. Como o Adversário é culpado, pois fez os antepassados terem um viver desgraçado, deve receber nomes e expressões que denotam sua conduta. Por isso, nas orações de quebra do elo da maldição, muitos vociferam: “Desgraçado, maldito, miserável, imundo, etc.” referindo-se a Satanás. Outros vão mais além, ao dizer: “Você não é nada...”

            e) Amarrar Satanás e a maldição. A pessoa amarrará Satã e o Pecado de Geração, de maneira que não hão de ter poder sobre ela nem sobre a família. Esta é a maneira exata, pois amarrados não podem afetar a parentela nem as gerações futuras. Depois da amarração, é mandado para o inferno — segundo dizem.


4 – O Sacrifício do Senhor Jesus

         As maldições jogadas, através do pecado, caíram sobre Jesus: “Cristo nos resgatou da maldição da lei, fazendo-se maldição por nós; porque está escrito: Maldito todo aquele que for pendurado no madeiro” (Gl 3.13). Hoje, qualquer maldição contra o povo de Deus foi quebrada através da morte de Cristo, no brado: “Está consumado” (Jo 19.30). Ali “despojou os principados e potestades, os expôs publicamente e deles triunfou em si mesmo” (Cl 2.15).
           Todas as maldições do Antigo Testamento recaem sobre a impiedade, e não sobre os crentes: “Se não ouvirdes e se não propuserdes, no vosso coração, dar honra ao meu nome, diz o SENHOR dos Exércitos, enviarei a maldição contra vós, e amaldiçoarei as vossas bênçãos; e também já as tenho amaldiçoado, porque não aplicais a isso o coração” (Ml 2.2).
            Os cristãos são herdeiros das bênçãos do céu: “Para que a benção de Abraão chegasse aos gentios por Jesus Cristo, e para que pela fé nós recebamos a promessa do Espírito” (Gl 3.14).


5 – O Falso Ensino da Maldição Hereditária É Exterminado pela Bíblia

             A Bíblia Sagrada, através dos autores inspirados, desclassifica a Maldição Hereditária da autêntica fé cristã.

           a) No Livro dos Salmos. Servir a Deus resulta em proteção para nós: “Ele te cobrirá com as suas penas, e debaixo das suas asas estarás seguro; a sua verdade será o teu escudo e broquel” (Sl 91.4). Maldições não se apossam do nosso lar: “Nenhum mal te sucederá, nem praga alguma chegará à tua tenda” (Sl 91.10).

         b) Em Provérbios. Deus não quer saber as iniquidades que os crentes praticaram no passado, porém Seus filhos serão abençoados: “O justo anda na sua sinceridade; bem-aventurados serão os seus filhos depois dele” (Pv 20.7). A maldição não habita na casa justo, antes, é cheia de bênção: “A maldição do SENHOR habita na casa do ímpio, mas a habitação dos justos abençoará” (Pv 3.33). Depois que o homem arrependeu-se de praticar o pecado, as suas causas foram tiradas. Não tem o porquê de maldições longínquas afetarem os descendentes do cristão devoto e professo: “Como ao pássaro o vaguear, como à andorinha o voar, assim a maldição sem causa não virá” (Pv 26.2).

        c) Os profetas Ezequiel e Jeremias. Nos tempos dos profetas Ezequiel e Jeremias, existia uma parábola que revelava os filhos ser amaldiçoados pelas prevaricações realizadas pelos pais em desobediência ao regime judaico: “Que pensais, vós, os que usais esta parábola sobre a terra de Israel, dizendo: Os pais comeram uvas verdes, e os dentes dos filhos se embotaram?” (Ez 18.2; Veja também Jeremias 31.29). “Uvas verdes” — expressão que representa as impiedades produzidas pelos judeus; “dentes embotados” — retrata que os filhos eram amaldiçoados por causa dos pecados dos pais. No entanto, o Altíssimo bradou: “Vivo eu, diz o Senhor DEUS, que nunca mais direis esta parábola em Israel” (Ez 18.3). Isto é um pingo d’água a derrubar o castelo levantado pelos promotores da Maldição não Quebrada. Cada pessoa será responsável pelos seus próprios erros e ações, e nunca pelos de outrem.
           Deus foi mais além e explícito quando revelou a verdade a Jeremias, a proibir esse provérbio: “Mas cada um morrerá pela sua iniquidade; de todo o homem que comer as uvas verdes os dentes [dele] se embotarão” (Jr 31.30). Nenhuma pessoa paga pelo erro da outra! O Todo-Poderoso quis dizer que a responsabilidade é pessoal e intransferível: “A alma que pecar, essa morrerá; o filho não levará a iniquidade do pai, nem o pai levará a iniquidade do filho. A justiça do justo ficará sobre ele e a impiedade do ímpio cairá sobre ele” (Ez 18.20). Onde fica a Maldição Hereditária, hem!

        d) Jesus Cristo, o Verbo da Vida. O Senhor Jesus mora em nossas vidas desde o dia e que O aceitemos: “Se alguém me ama, guardará a minha palavra, e meu Pai o amará, e viremos para ele, e faremos nele morada” (Jo 14.23). Como a Maldição de Família pode habitar nos servos dEle? “Que concórdia há entre Cristo e Belial?” (2 Co 6.15). Se Jesus está conosco maldições não nos afetam, pois não resistem à presença de Cristo — nosso Eterno Redentor, “mas [Ele] livra-nos do mal” (Lc 11.4).
         Enfermidades, doenças, males e danos no viver não querem dizer maldição herdada dos antepassados. Jesus, nesse ponto, foi categórico quando disse que cada homem dará conta de seus próprios erros e ações no Último Dia, e não dos de outrem: “Mas eu vos digo que de toda a palavra ociosa que os homens disserem [eles] hão de dar conta no dia do juízo. Porque por tuas palavras [tu] serás justificado, e por tuas palavras [tu] serás condenado” (Mt 12.36,37). Pode alguém prestar contas por você? — Não!
          Trouxeram, certa vez, um cego de nascença a Jesus, “e os seus discípulos lhe perguntaram, dizendo: Rabi, quem pecou, este ou seus pais, para que nascesse cego?” (Jo 9.2). Cristo respondeu e desfez quaisquer suspeitas de erros e transgressões dos ancestrais daquele cego que o fazia estar naquela situação. Nada tinha a ver a situação atual dele com os erros de seus ascendentes: “Nem ele pecou nem seus pais; mas foi assim para que se manifestem nele as obras de Deus” (Jo 9.3).
          Esse seria um caso basilar para assentar a Maldição de Geração, porém simplesmente o Salvador Jesus reduziu essa crendice a cinzas!

         e) O Apóstolo Paulo. Foi quando do apregoamento da responsabilidade pessoal, e que ninguém dará contas por erros de outrem, o Apóstolo Paulo rechaçou o ensino do Pecado de Geração: “De maneira que cada um de nós dará conta de si mesmo a Deus” (Rm 14.12).
           O mal dos ascendentes (pais, avós, bisavós, trisavós) não tem como afetar seus descendentes (filhos, netos, bisnetos, trinetos) — se não houver imitação da parte deles —, quanto mais os convertidos à Graça de Jesus, porque romperam com as obras do pecado: “Portanto, agora, nenhuma condenação há para os que estão em Cristo Jesus, que não andam segundo a carne, mas segundo o Espírito” (Rm 8.1). Os que confiam nesta palavra estão seguros: “nenhuma condenação nenhuma existe” para eles!
          O aceitamento de Cristo pôs fim no velho homem e limpou o nosso passado: “Assim que, se alguém está em Cristo, nova criatura é; as coisas velhas já passaram; eis que tudo se fez novo” (2 Co 5.17); “Não mintais uns aos outros, pois que já vos despistes do velho homem com os seus feitos” (Cl 3.9), de modo que somos templos do Espírito Santo: “Não sabeis vós que sois o templo de Deus e que o Espírito de Deus habita em vós?” (1Co 3.16). Como maldições terão o poder de permanecer no corpo que é o santuário do Divino Espírito Santo?!

        f) O Apóstolo João. Este apóstolo salientou que recebemos Jesus pela fé: “Estas coisas vos escrevi a vós, os que credes no nome do Filho de Deus, para que saibais que tendes a vida eterna, e para que creiais no nome do Filho de Deus” (1Jo 5.13). Visto que “somos de Deus” (1Jo 5.19), espíritos malignos, que estavam em nossos ancestrais, não podem afetar-nos nem lançar maldições contra nós: “Sabemos que todo aquele que é nascido de Deus não peca; as o que de Deus é gerado conserva-se a si mesmo, e o maligno não lhe toca” (1Jo 5.18). Se isto acontecesse, adiantaria deixar os prazeres carnais, o mundanismo, o egocentrismo, as vis concupiscências e servir a Deus? Logo, “o testemunho de Deus é maior” (1Jo 5.9).

6 – Resposta aos Difusores da Maldição de Geração

         Os propagadores da Maldição de Família servem-se de vários textos da Palavra do Senhor — assassinando o verdadeiro sentido das passagens — a fim de, sutilmente, basearem-se para provar que as supostas maldições existem. No entanto, apresentaremos tais textos e as respectivas refutações; estas tirarão a máscara dos falsificadores da Palavra de Deus, que, expondo essa heresia, e deturpando os verdadeiros sentidos das passagens sagradas, se venderam aos espíritos do engano, pois “defendem um princípio quase-reencarnacionista, estabelecendo um carma [lei de causa e efeito que determina o destino] na vida da pessoa a partir de seus parentes”.[6]



1 – A maldade dos pais é visitada nos filhos?
 Não te encurvarás a elas nem as servirás; porque eu, o Senhor teu Deus, sou Deus zeloso, que visito a iniquidade dos pais nos filhos, até a terceira e quarta geração daqueles que me aborrecem (Ex 20.5, grifo acrescentado).

Argumento: A maldade dos pais é passada para os filhos até a quarta geração. Não há como negar: isso representa a Maldição Hereditária nas famílias. O texto de Êxodo apregoa a hereditariedade das maldições sofrida pelas famílias.

Resposta: É bem certo que a passagem preferida dos adeptos da Maldição de Família é a de Êxodo 20.5. Em paralelo, hão de usar os textos de Números 14.18 e Deuteronômio 5.9, já que revelam a mesma coisa.
         Algumas razões devem ser consideradas em relação a esse texto sagrado. Há uma diferença abissal entre o que ele quer-nos passar e aquilo que os promotores da Maldição de Geração lhe impõem.
         Primeiro, o contexto diz respeito ao segundo mandamento: “Não farás para ti imagem de escultura” (Ex 20.4). Os cristãos não são mais idólatras! Através do recebimento de Cristo deixamos “os ídolos e nos convertemos a Deus, para servirmos o Deus vivo e verdadeiro” (1Ts 1.9). Aquilo que praticamos no passado o Senhor Jeová não leva em conta, e diz: “Porque serei misericordioso para com suas iniquidades, e de seus pecados e de suas prevaricações não me lembrarei mais” (Hb 8.12). A promessa do Senhor cumpriu-se em nossas vidas: “E eu serei para vós Pai, e vós serei para mim filhos e filhas, diz o Senhor Todo-Poderoso” (2 Co 6.18).
           Segundo, haja vista a palavra “zeloso” em Êxodo 20.5, referindo-se a Deus. Zelo é “atenção especial que se dedica a alguém ou algo; cuidado; dedicação. Carinho, meiguice”.[7] Consequentemente, o Todo-Poderoso dá atenção, é dedicado, cuidadoso, carinhoso e meigo com os Seus filhos, uma vez que, na conversão, nasceram d’Ele (Jo 1.12,13). Tanto assim que Cristo ressaltou: “Pois se vós, sendo maus, sabeis dar boas dádivas aos vossos filhos, quanto mais dará o Pai celestial o Espírito Santo àqueles que lhe pedirem?” (Lc 11.13); com efeito, não permitiria que pagássemos por erros de nossos pais, porque, de nós, Ele cuida particularmente, visto que nos tornamos propriedade d’Ele!
            Além de tudo, mesmo os pais que andaram de maneira desumana não querem que suas barbáries — consumadas em certa época da vida — transmitam consequências terríveis (subentendidas como maldição) a seus filhos. Sendo assim, o Senhor — o Deus zeloso — não permitirá que Seus filhos paguem de igual forma! Nada se compara ao amor do Eterno! (Is 49.15; Jr 31.3).
         Finalmente, preste atenção à expressão: “daqueles que me aborrecem” (Ex 20.5), quer dizer, Deus só determina a iniquidade dos pais nos filhos sobre aqueles que O aborrecem. Isso não é aplicável aos cristãos verdadeiros, porque se converteram “das trevas para a maravilhosa luz” do Senhor Jesus (cf. 1Pd 2.9,10), de sorte que não aborrecem mais a Deus. Logo, se o filho imitar, praticar os mesmos pecados dos pais aborrecerá o Altíssimo da mesma forma; nesse caso, a maldição que afetou os pais afetá-lo-á também, porque virá como “consequência” dum viver tortuoso. A Bíblia diz: “Não erreis: Deus não se deixa escarnecer; porque tudo o que o homem semear, isso também ceifará” (Gl 6.7). Esta é a “Lei da Semeadura e da Sega”.
           Em suma, se houver “procedências iguais” do filho, isto é, “reproduções” das más obras praticadas por sua família, ele colherá as consequências daquilo que plantou, pois de igual modo um dia colheram os seus pais: as próprias maldições.



2 – Muitos filhos são consumidos por causa dos pecados dos pais?
E aqueles que entre vós ficarem se consumirão pela sua iniquidade nas terras dos vossos inimigos, e pela iniquidade de seus pais com eles se consumirão (Lv 26.39).

Argumento: A iniquidade dos pais — o que realizaram no passado em desobediência ao Senhor Deus — vêm em maldições que consomem o bem-estar, em determinadas áreas, das famílias.

Resposta: A realidade do versículo supramencionado é outra! Refere-se, certamente, ao povo de Israel. O Senhor entregou-lhe mandamentos contra a idolatria e sobre a guarda do sábado (cf. Lv 26.1,2). Passou, também, advertências no tocante às maldições que viriam caso desobedecessem essas ordenanças, como exemplo: “terror, tísica e febre ardente” (v.16), “terra sem colheitas e árvores infrutíferas” (v.20), “feras do campo de diminuição do gado” (v.22), “espalhamento de entre as nações, assolação da terra e deserção das cidades” (v.33). Nesse ínterim, os que ficassem seriam consumidos não apenas pelas suas iniquidades, mas, igualmente, pelas transgressões dos pais, caso as imitassem: Então [os filhos] confessarão a sua iniquidade e a iniquidade de seus pais, com as suas transgressões [as dos filhos], com que transgrediram contra Mim; como também eles [os pais] andaram contrariamente para Comigo (v.39). Atentemos para isto: as transgressões dos filhos, nessa passagem, estão sempre ao lado das transgressões dos pais, de maneira que os filhos andaram em oposição às ordenanças de Deus, a imitar o proceder iníquo de seus pais.
           Em resumo, o Altíssimo os visitaria — a amaldiçoá-los — se andassem contrariamente como andaram seus pais; longe disso, “a maldição sem causa não virá” (Pv 26.2).



3 – A maldição perante nós é a de nossos antepassados?
Os céus e a terra tomo hoje por testemunhas contra vós, de que te tenho proposto a vida e a morte, a bênção e a maldição; escolhe, pois, a vida, para que vivas, tu e a tua descendência (Dt 30:19).

Argumento: Está diante de nós a bênção e a maldição. A nossa escolha pode determinar o futuro de nossa descendência, de maneira que ela pode virar a Maldição de Família, se fizermos a escolha errada.

Resposta: Essa passagem não diz nada sobre Maldição Hereditária, mas do livre-arbítrio que o Senhor estabeleceu no homem. Dizemos assim pelo vocábulo “escolhe” — optar entre duas coisas — existente no versículo, cujo revela o consentimento de qualquer pecador quanto à salvação; visto que, na Maldição de Família, não há como escolher — o mal já vem no ventre por causa dos pais, e (segundo os propagadores dessa doutrina) precisa, indiscutivelmente, quebrar-se.
           O texto bíblico supramencionado gira em torno da nossa escolha referente à salvação ou condenação. Consideremos isso pelas seguintes razões:
            Primeiro, Deus não força a humanidade a nada: “Não por força nem por violência, mas, sim, pelo Meu Espírito, diz o Senhor dos Exércitos” (Zc 4.6); “Entrai pela porta estreita, porque larga é a porta e espaçoso o caminho que conduz à perdição, e muitos são os que entram por ela; e porque estreita é a porta, e apertado o caminho que conduz à vida, e poucos há que a encontrem” (Mt 7.13,14). Logo, a salvação é uma escolha mediante a fé! (At 16.30,31; Ef 2.8,9).
            Segundo, na passagem em questão, o Deus de Israel propõe duas coisas para escolha: (1) vida ou morte, e (2) bênção ou maldição.
          (1) Ele, o Santo de Israel, é a fonte da vida: “Porque em Ti está o manancial da vida; na Tua luz veremos a luz” (Sl 36.9) — isto representa a vida eterna (cf. Jo 5.24; Jo 8.51). O hino 109 da Harpa Cristã confirma: “Se alguém deseja não morrerá, pois a vida eterna sempre gozará; esta é a promessa que Jesus lhe dá: se alguém deseja venha!” A morte retrata a condenação — a trágica consequência do pecado: “Porque o salário do pecado é a morte” (Rm 6.23; cf. Ap 21.8).
         (2) A “bênção”, proposta por Deus, é estar com Ele agora e no porvir (cf. Lm 3.26; Mt 25.34). “Maldição” é a eterna perdição para todos aqueles que andam no pecado (2Pd 2.13,14; Mt 25.41).
           Finalmente, “aborreço a duplicidade” — diz a Palavra do Senhor (Sl 119.113), uma vez “que a vossa palavra seja sim, sim, e não, não para que não caiais em condenação” (Tg 5.12). O que o Todo-Poderoso abordou em Deuteronômio 30.19 foi justamente isto: o livre-arbítrio, no tocante à salvação ou à condenação; assunto este que é confirmado em toda a Bíblia (Js 24.15; 1Rs 18.21; Sl 119.30,173; Mt 7.13,14; Ap 22.17). Veja o contexto da passagem; ele confirma essa posição — Deuteronômio 30.14-19.    



4 – A ação do Diabo perpetua maldições?
Não deis lugar ao Diabo (Ef 4.27)

Argumento: Muitas famílias estão sofrendo males não quebrados, porque seus ancestrais deram lugar a Satanás. Assim sendo, o Diabo está a atuar até hoje em muitos lares; por isso, sofrem a Maldição de Geração.

Resposta: Se nenhum texto bíblico acima deu suporte à Maldição de Geração, muito menos esse! O contexto, no versículo 26, diz: “Irai-vos, e não pequeis; não se ponha o sol sobre a vossa ira”. Qual seja, o Apóstolo Paulo admoesta-nos para que, através da ira, não podemos culpar ou descontar os nossos erros em outras pessoas, nem por nervosos incontroláveis chegarmos ao ponto de fazer coisas absurdas dando lugar ao Maligno (v.27). Nossa ira deve durar um momento só (cf. Sl 30.5), e não ser posta sobre o sol, isto é, “sobre todos”, a perdurar “vários dias”. Visto que esse texto não é prova dessa heresia, ele, ainda, rebate e desqualifica a Maldição não Quebrada.
           Primeiro, os que advogam essa passagem para evidenciar o Pecado de Geração, entram em contradição com o próprio ensino deles! Eles ensinam que os filhos pagarão pelos pecados dos antepassados. É inviolável: as transgressões dos pais virão em desgraças às vidas dos filhos, quer desejem quer não, pois é involuntário — não depende da vontade deles, mas é um pagamento a ser aceito e um mal que precisa quebrar-se. Contudo, Efésios 4.27, salienta: “Não deis lugar ao diabo” (grifo acrescido); ou seja, évoluntário (depende da vontade própria): a pessoa só dá lugar ao Adversário se ela quiser; caso não queira, ele será vencido e derrotado pelo poder de Cristo.
           Segundo, esse versículo exorta a nossa vigilância, pois “o Diabo, nosso adversário, anda em derredor, bramando como leão, buscando a quem possa tragar” (1Pd 5.8). Só basta lhe darmos lugar e a desgraça está feita. Temos o exemplo de Pedro, que deu lugar a Satanás e queria impedir a morte de Cristo (cf. Mt 16.21,22); no entanto, Jesus disse: “Para trás de mim, Satanás, que me serves de escândalo; porque não compreendes as coisas que são de Deus, mas só as que são dos homens” (Mt 16.23). Outro caso é o de Judas, que intentara vender o Filho de Deus por 30 moedas de prata (cf. Mt 26.15,16), roubou o dinheiro do alforje do sustento dos apóstolos (Jo 12.6; 13.29; 1Co 9.13,14) e tomou a Ceia do Senhor em pecado (Mc 14.18-21; Jo 13.21-30); por conta disso, “entrou, porém, Satanás em Judas, que tinha por sobrenome Iscariotes, o qual era do número dos doze” (Lc 22.3). Logo, somos advertidos pelas Santas Escrituras: “Sede sóbrios, vigiai” (1Pd 5.8), “Vigiai e orai, para que não entreis em tentação” (Mc 14.38).
            Por fim, se algo depende da vontade, do consentimento, do querer do homem — cujo é a explicação de Efésios 4.27 — não pode classificar-se como “defesa” para a Maldição Hereditária, já que ela independe do ser humano: é um mal a quebrar-se. Portanto, mais uma vez a Palavra de Deus triunfou. Não há lugar para essa doutrina na Bíblia. A Maldição de Geração, sem sombra de dúvida, é “doutrina de demônios” (1 Tm 4.1).



7 – Resposta aos Supostos Meios de “Quebra de Maldição”

           a) Os especialistas e os livros indicados não possuem autoridade e inspiração divinas. Todo crente fiel — com a vida no Altar — detém o poder de Deus contra Satanás e suas hostes: “Eis que vos dou poder para pisar serpentes e escorpiões, e toda a força do inimigo, e nada vos fará dano algum” (Lc 10.19); “E estes sinais seguirão aos que crerem: Em meu nome expulsarão os demônios...” (Mc 16.17). O livro que se deve estudar, guardar, praticar, viver e obedecer é a Bíblia Sagrada, já que, através dele, nenhum mal chegará à vida do cristão: “Ordem os meus passos na Tua Palavra, e não se apodere de mim iniquidade alguma” (Sl 119.133); “Pelos Teus mandamentos alcancei entendimento; por isso odeio todo falso caminho” (Sl 119.104); “Aflição e angústia se apoderam de mim; contudo os Teus mandamentos são o meu prazer” (Sl 119.143); “(...) a Sua verdade será o teu escudo e broquel. (...) A Tua Palavra é a verdade” (Sl 91.4; Jo 17.17).
         Os livros cristãos (2Tm 4.13) são escritos fundamentos na Palavra de Deus (1Co 4.6), e não firmados em interpretações próprias que não se harmonizam com o Cristianismo histórico-ortodoxo (1Tm 6.3-5; Pv 30.5,6). A doutrina da Maldição de Família se baseia em “outro evangelho” (Gl 1.8), desprezando a onipotência de Deus e a transferindo às criaturas (Rm 1.25).

          b) Correntes, campanhas e confissão de antigos erros: um mau remédio! Correntes e campanhas para esse fim são irrelevantes. Se o Pecado de Geração não existe, como o Eterno ouvirá algo que não consta no rol de Seus propósitos para com os homens? Diz o Senhor: “Não vos fieis em palavras falsas” (Jr 7.4). Das coisas passadas, Deus não quer saber: “Porque lhes perdoarei a sua maldade, e nunca mais me lembrarei dos seus pecados” (Jr 31.34). A aceitação de Cristo anulou as nossas obras más praticadas no passado: “Assim que, se alguém está em Cristo, nova criatura é; as coisas velhas já passaram; eis que tudo se fez novo” (2Co 5.17). As palavras de maldição, jogadas pelos antepassados, ficarão sobre eles mesmos: “Mas eu vos digo que de toda a palavra ociosa que os homens disserem [eles] hão de dar conta no dia do juízo” (Mt 12.36).
          Nada contra campanhas que são fundamentadas na Palavra de Deus, todavia, contrariamente, não existe Maldição Hereditária — como vimos —; sendo assim, os pastores que oferecem a quebra da Maldição de Família por meio de “propósitos fortes”, “sacrifícios”, fazem-na por valores exorbitantes. Certamente, são cafetões da prosperidade — os quais ensinam os ingênuos e extremamente aflitos a fazer “toma lá dá cá” (troca de favores, benesses) na Casa de Deus, já que, às ocultas, agem com avareza, com interesse de seus cofres ficarem cheios. Veja Miqueias 3.11.
         Campanha de quebra da Maldição Hereditária é uma “história inventada” tão só para tirar dinheiro de pessoas simples e incautas, que, desesperadas, correm atrás de solução: E muitos seguirão as suas práticas libertinas, e, por causa deles, será difamado o caminho da verdade; também, movidos por avareza, vos explorarão, com histórias inventadas. Há muito tempo o seu julgamento já está em ação e a sua destruição não tarda (2Pd 2.3 — Alfalit, grifo acrescentado).
          De fato, tais pastores, bispos são falsificadores da Palavra de Deus (2Co 2.17) e falsos apóstolos (2Co 11.13-15); não servem ao Salvador Jesus, mas ao próprio ventre: terríveis inimigos da cruz de Cristo (cf. Fp 3.18,19), fazendo do Evangelho “causa de ganho” (1Tm 6.5).
             Vendendo a “quebra” da suposta maldição, praticam o pecado de “simonia”. O que é simonia?

           Tomás de Aquino definiu a simonia como “a deliberada vontade de comprar ou vender algo espiritual”. A palavra vem de Simão mágico, de Samaria, que pretendeu comprar com dinheiro as coisas espirituais (At 8.18-21). Hoje, é aplicada aos mercadores da fé que oferecem por dinheiro as bênçãos divinas. A sua presença é constante em algumas igrejas neopentecostais.[8]

          Simonia é um pecado, por certo os que o praticam estão afastados de Deus (Is 59.2). Logo, o cristão deve buscar e exercer o discernimento espiritual (1Co 2.15). O intuito dos cafetões da prosperidade não é apregoar a salvação nem fazer propósitos ou campanhas para o bem-estar espiritual dos crentes, mas sugar tudo o que eles têm, como sanguessugas (Pv 30.15). “Aparta-te dos tais”, 1Tm 6.5.


       c) Não adianta determinar, porquanto o que permanece é a vontade de Deus: “Por isso não sejais insensatos, mas entendei qual seja a vontade do Senhor” (Ef 5.17); “para que experimenteis qual seja a boa, agradável, e perfeita vontade de Deus” (Rm 12.2); “Pai nosso (...) seja feita a Tua vontade” (Mt 6.9,10). Deus não é nosso garçom, disposto a servir-nos à hora que bem quisermos. Ele é sabedor das nossas necessidades: “O meu Deus, segundo as suas riquezas, suprirá todas as vossas necessidades em glória, por Cristo Jesus” (Fp 4.19). Até aquilo que pedimos, o Senhor dar-nos-á se for conforme a vontade dEle: “E esta é a confiança que temos nele, que, se pedirmos alguma coisa, segundo a sua vontade, ele nos ouve” (1Jo 5.14). Este “determinismo” não faz parte dos preceitos divinos “porque a profecia nunca foi produzida por vontade de homem algum” (2 Pd 1.21). “Cristo é tudo em todos” (Cl 3.11).

        d) Amaldiçoar Satanás, para quê? O Diabo é o príncipe das trevas. Outrossim, “ele foi homicida desde o princípio, e não se firmou na verdade, porque não há verdade nele” (Jo 8.44); então, sentir-se-á prazenteiro pelos xingamentos e insultos. Pense: esta é natureza dele, denotará sua obra e soará como elogios. Por isso, o arcanjo Miguel “não ousou pronunciar juízo de maldição contra ele [o Diabo]; mas disse: O Senhor te repreenda” (Jd v.9). Os cristãos temos de livrar-nos das parvoíces, isto é, deixar de ser tolos (Ef 5.4,5). A Bíblia diz: “Não saia da vossa boca nenhuma palavra torpe, mas só a que for boa para promover a edificação, para que dê graça aos que a ouvem” (Ef 4.29). Dos nossos lábios devem sair glorificações a Deus mesmo em momentos angustiantes! O sacrifício de louvor ao Senhor Jesus é o fruto dos lábios que confessam o Seu nome” (Hb 13.15).

       e) Amarrar Satanás e a maldição – expressões antibíblicas. Quando Cristo andou na terra nunca amarrou Satanás, todavia, expulsou-o: “E Jesus, respondendo, disse-lhe: Vai-te para trás de mim, Satanás” (Lc 4.8). Expulsou também muitos demônios e fez com que se calassem: “E estava na sinagoga deles um homem com um espírito imundo. (...) E repreendeu-o Jesus, dizendo: Cala-te, e sai dele. Então o espírito imundo convulsionando-o, e clamando com grande voz, saiu dele” (Mc 1.23,25,26). O arcanjo Miguel e o sacerdote Josué expulsaram o Adversário pronunciando: “O Senhor te repreenda” (Zc 3.2 e Jd v.9). Não precisa amarrar o Diabo, pois diante do nome de Cristo perde as forças, porque é vencido. Jesus concedeu autoridade aos crentes para expulsar os demônios, e não amarrá-los nem entrevistá-los (Mt 17.21; At 16.16-18).
            Os defensores da expressão ‘tá amarrado gostam de citar estes dois textos para atestarem a “amarração de demônios” praticada por eles — Mateus 12.29 e Marcos 3.27. Ambas passagens são semelhantes, e Cristo Jesus usa a analogia de um ladrão que invade uma casa e amarra o dono para roubar-lhe os bens: “ninguém pode entrar na casa do valente para roubar-lhe os bens, sem primeiro amarrá-lo; e só então lhe saqueará a casa”. Isso demonstra que não fazia sentido expulsar demônios (cf. Mt 12.22-26; Mc 3.22-26) sendo que um deles, “o valente” — Satanás — ficasse livre a operar; por conseguinte, o dono tinha de ser amordaçado (amarrado). Entrar na casa do “valente” e amarrá-lo a fim de saquear seus bens é, metaforicamente, entrar no mundo (que jaz no Maligno — 1Jo 5.19), anular a atuação das trevas e salvar as vidas dominadas por Satanás. Quem fez isso, exclusivamente, foi o Filho de Deus! (cf. Mt 4.16,17; Hb 2.14-18), de maneira que é mais forte que o Inimigo, e definitivamente o venceu! (Cl 2.14,15; 1Jo 3.8). Hoje, por essa obra perfeita e gloriosa — o sacrifício e a vitória dEle contra o império das trevas — podemos tirar as almas do poder do mal (At 26.18; 1Co 15.55-56; 2Pd 2.20). Portanto, não há suporte bíblico para afirmar a necessidade de “amarrar” espíritos malignos.
            Cremos que o Diabo será amarrado, sim, no Milênio! (cf. Ap 20.1,2). Pois bem, quanto à maldição não quebrada, esta não existe! “Se, pois, o Filho vos libertar, verdadeiramente, sereis livres” (Jo 8.36).


Conclusão
             Existem pessoas tão alienadas que chegam até a mudar de nome. Os defensores da Maldição de Geração afirmam que se a pessoa tiver um nome contrário, a maldição deste ficará nela; por exemplo, Cláudio: coxo, manco; Jacó: suplantador ou enganador; Ulisses: o irritado[9]; Adriana: deusa das trevas[10]; Maria das Dores, etc. Entretanto, “se alguém está em Cristo, nova criatura é; as coisas velhas já passaram; eis que tudo se fez novo” (2Co 5.17).
             Cristo nos chamou do pecado pelo nosso nome e ainda pôs o nosso sobrenome: “Assim diz o SENHOR que te criou, ó Jacó, e que te formou, ó Israel: Não temas, porque eu te remi; chamei-te pelo teu nome, tu és meu” (Is 43.1, grifo nosso); “Eu te chamei pelo teu nome, pus o teu sobrenome, ainda que não me conhecesses” (Is 45.4).
            No céu, teremos um novo nome dado por Deus: “Ao que vencer (...) dar-lhe-ei uma pedra branca, e na pedra um novo nome escrito, o qual ninguém conhece senão aquele que o recebe” (Ap 2.17).

Nenhum comentário:

Postar um comentário

OBRIGADO PELA VISITA! QUE DEUS ABENÇÕE!

Chat da Rádio a Última Oportunidade



Camisas e Panos de Prato Pintados à Mão, clique na imagem e Confira!




NOVA VERSÃO DO APP ANDROID DA RÁDIO A ÚLTIMA OPORTUNIDADE

CLIQUE NESTE LINK E FAÇA DOWNLOAD, E OUÇA A RÁDIO A ÚLTIMA OPORTUNIDADE NO SEU CELULAR ANDROID OK!


CLIQUE NESTE LINK E OUÇA A RÁDIO A ÚLTIMA OPORTUNIDADE NO SEU CELULAR ANDROID OK!





OUTRO PLAY DA RÁDIO EVANGÉLICA A ÚLTIMA OPORTUNIDADE



Abrir Player Pop-up









ESTUDO BÍBLICO DIVERSOS E RÁDIO EVANGÉLICA A ÚLTIMA OPORTUNIDADE, A RÁDIO QUE CHEGOU PARA TE AJUDAR EM ORAÇÃO!






PROMESSAS DO SENHOR



VOCÊ TAMBÉM VAI GOSTAR DE:


O AGUILHÃO DO PECADO RETRATOS DE JESUS O PODER DA ORAÇÃO ALMAS PERDIDAS OLIMPÍADAS: RESSURGIMENTO DE UMA IDOLATRIA ANTIGA A HERESIA DA ÁGUA UNGIDA PROCURA-SE NASCIDO PARA LUTAR A promessa da morte (Uma Páscoa Vazia) Está Cristo dividido? Entendendo a permissão de Deus O orgulho religioso: O fariseu e o publicano Como conseguir o perdão de Deus? O cristão pode ter seu nome riscado do Livro da Vida? QUEBRANTAMENTO VERDADEIRA PRONTIDÃO PROEMINÊNCIA NO EVANGELHO QUANDO JESUS VOLTAR, O QUE VOCÊ ESTARÁ FAZENDO? O LUGAR DO ZICA NA PROFECIA CARNAVAL : O EXPOSITOR DAS OBRAS DA CARNE A REDE MARAVILHOSA O QUE A BÍBLIA DIZ SOBRE HOMOSSEXUALIDADE ENTRE A FÉ A RAZÃO O TREM DAS TRIBULAÇÕES O CORAÇÃO DIVIDIDO JESUS É TUDO QUE VOCÊ PRECISA! 20 RAZÕES POR QUE NÃO COMEMORAMOS O NATAL AS LÍNGUAS ESTRANHAS NA HISTÓRIA A Astúcia do Casamento Misto O Maior Assombro do Mundo A ILUSÃO DOS DESIGREJADOS Maldição Hereditária: Falsa Doutrina com Aparência de Piedade CAÇADORES DE LEÕES LIDERANÇA SAUDÁVEL NOS PASSOS DE JESUS ETERNAMENTE JESUS JESUS É MAIS FORTE O HOMEM E A FIGUEIRA 3 LIÇÕES QUE APRENDEMOS NO VALE DE OSSOS SECOS RAÍZ DE AMARGURA COISAS QUE DEUS NÃO PODE FAZER O JULGAMENTO HUMANO ATÉ ONDE VAI COM O SENHOR? COMO CRESCER NA FÉ? CONSELHOS DE JESUS ONDE DEUS ESTÁ? O QUE ACONTECE ENQUANTO ORAMOS? SINAIS DO PENTECOSTES LIDERANDO EM MEIO À TEMPESTADE ESTRUTURA DA IGREJA PRIMITIVA SOMOS O SAL DA TERRA SANSÃO E DALILA - EM QUE CONSISTE SUA FORÇA! OS SANTOS NA CASA DE CÉSAR VOLTANDO À IGREJA PRIMITIVA QUEM É JESUS? A GRAÇA DE DEUS INTERCEDENDO PELOS DESESPERANÇADOS TENDO A CERTEZA DA SALVAÇÃO TORNANDO-SE VERDADEIROS ADORADORES ENCARNANDO A PALAVRA AS QUATRO FASES DA VIDA DESVENDANDO O CORAÇÃO MAIS QUE VENCEDORES O AMOR CLAMA POR PUREZA SILOÉ - JESUS NA FESTA DOS TABERNÁCULOS O TOQUE DA ÚLTIMA TROMBETA... DESPERTA!!! OS CINCOS  MINISTÉRIOS RESTAURANDO O SONHO PERDIDO HUMILDADE IDENTIFICANDO UM TERRÍVEL ENGANO O AMOR CLAMA POR INTIMIDADE CONHECENDO A JESUS TRANSFIGURADO A ARCA DA ALIANÇA NO CORAÇÃO OS LIVROS DE DEUS O SEGREDO DO MINISTÉRIO SOBRENATURAL DE JOÃO BATISTA ATÉ QUANDO Ó PREGUIÇOSO PLANTAÇÃO COM A COLHEITA CERTA O QUE É AMOR? O FIO DA ESPERANÇA O PAI NOSSO, PÃO NOSSO... TEU REINO, TUA VONTADE LEIS ESPIRITUAIS DE CAUSA E EFEITO A NOVA JERUSALÉM AS MARAVILHAS DA CIDADE CELESTIAL QUANDO SERÁ O FIM DO MUNDO? A FÉ NA RESSURREIÇÃO E O CORPO RESSUSCITADO FOGO DO ESPÍRITO VENTO DO ESPÍRITO TIPOS DE ORAÇÃO CASAMENTO DENTRO DE QUATRO PAREDES O ENCONTRO PERFEITO CAVANDO POÇOS PARA O FUTURO HOJE É O DIA! A SANTA CEIA DO SENHOR A PREPARAÇÃO PARA A CEIA NATAL É TEMPO DE... A MISSÃO DE JESUS REVELADA EM SEU NASCIMENTO A CEIA DO SENHOR MÃE É... O AROMA FAMILIAR RESISTINDO AOS VÍCIOS RAZÕES BÍBLICAS PARA NÃO USAR BEBIDAS ALCOÓLICAS QUER PESCAR MAIS? O DOMINGO CRISTÃO X O SÁBADO JUDEU INTELIGÊNCIA EMOCIONAL O MOVER DO ESPÍRITO A VERDADEIRA PAZ PENITÊNCIA O QUE É SER MÃE? O CULTO PAGÃO INTRODUZIDO NA PÁSCOA SEITA- CULTURA RACIONAL OS TORMENTOS DO DIVÓRCIO PROPÓSITOS DE DEUS A MATEMÁTICA NO CASAMENTO AS 4 ESTAÇÕES DO CASAMENTO CASAMENTO BLINDADO EXEMPLO DE MÃE QUANDO DEUS RESPONDE A ORAÇÃO? QUANDO O CÉU SE ABRE MEU BARCO COM CRISTO RUMO AO CÉU O VERDADEIRO SENTIDO DA PÁSCOA O QUE DEUS NUNCA ESQUECE TRANSFORMANDO A TRISTEZA EM ESPERANÇA FORÇAS PARA CONTINUAR DEPENDÊNCIA DIVINA SOBREVIVENDO AOS NAUFRÁGIOS DA VIDA O PLANO DE SALVAÇÃO EVANGELISMO PESSOAL O CAMINHO DO DISCIPULADO DISCIPULANDO DA SEMEADURA ATÉ A COLHEITA CRESCIMENTO ESPIRITUAL EXPERIÊNCIAS COM DEUS O ENCONTRO COM DEUS 3 TIPOS DE SERVOS DE DEUS OS GAFANHOTOS O JEJUM BÍBLICO LIDANDO COM QUESTÕES DIFÍCEIS LUZ DO MUNDO IDOLATRIA A ARMADURA SERES ANGELICAIS O FIM DOS TEMPOS ÁGUA DA ROCHA A VITÓRIA SOBRE O MEDO VENCENDO O MEDO VENCENDO OS COMPLEXOS NUNCA DESISTA! VENCENDO LEÕES, URSOS E GIGANTES TRANSFORMANDO PEDRAS EM BÊNÇÃOS QUEBRAR O CÂNTARO,TOCAR A TROMBETA E ERGUER A TOCHA ORAÇÃO PELA FAMÍLIA VISÃO DA FAMÍLIA PARA DEUS FAMÍLIA PRODÍGIO AS SETE BEM-AVENTURANÇAS DO APOCALÍPSE CONCEITO DE FELICIDADE PARA JESUS SINAIS DO FIM OS ANTICRISTOS O QUE VOU FAZER NO CÉU? INTERPRETAÇÃO DE SONHOS O AVISO DO ATALAIA O CORAÇÃO HUMANO O SELO DO ESPÍRITO ÓLEO DO ESPÍRITO QUEM É O ESPÍRITO SANTO? UMA IGREJA ESPIRITUAL A IGREJA QUE DEUS QUER A RENOVAÇÃO DO CASAMENTO AS BODAS DO CORDEIRO CINCO SENTIDOS DO CASAMENTO TROQUE DE ROUPA CONVERTI, E AGORA? CUIDADO COM AS PEQUENAS COISAS A TRINDADE PROFECIAS SOBRE O NASCIMENTO DE JESUS O SENTIDO DA VIDA A ÁRVORE DA VIDA MAPEAMENTO ESPIRITUAL A LUTA ENTRE A CARNE E O ESPÍRITO O QUE A BÍBLIA DIZ SOBRE CARNAVAL UM LUGAR PARA JESUS NASCER A FAMÍLIA DE JESUS RESGATE SUA FAMÍLIA QUEBRA DE MALDIÇÕES NA FAMÍLIA TRANSFORMANDO MALDIÇÕES EM BENÇÃOS DO VALE DO MEDO PARA O VALE DA BENÇÃO QUATRO COISAS QUE UM LÍDER PRECISA FAZER A PLENITUDE DOS TEMPOS O QUE ACONTECE QUANDO JESUS CHEGA SE PREPARANDO PARA O AVIVAMENTO UMA MESA NO DESERTO ATITUDES DE GRATIDÃO VOCÊ É UM SEGUIDOR OU DISCÍPULO? A RENOVAÇÃO DA ÁGUIA QUANDO AS COISAS VÃO MAL COMO PRATA NO FOGO RECONHECENDO A VOZ DE DEUS DORMINDO NO GETSÊMANI A SEMENTE DA PALAVRA DE DEUSPONTO DE VISTA DA FÉ ORAÇÃO DA FAMÍLIA COMO VENCER UM GIGANTE VENCENDO OBSTÁCULOS A PROVISÃO DO SENHOR INIMIGOS DA FAMÍLIA SACERDÓCIO FAMILIAR COMO ENTENDER A BÍBLIA? PROMESSAS DO SENHOR O SONHO DE DEUS É MELHOR POBRE DE ESPÍRITO O NASCIDO DO ESPÍRITOHONRAR A DEUS SOBRE TODAS AS COISAS CARÁTER DE SATANÁS MULHER VIRTUOSA SEXUALIDADE CRISTÃ PUREZA SEXUAL AMOR INTEGRAL AMOR E TALHERES O CAMINHO DO AMOR DIFERENÇA ENTRE PAIXÃO E AMOR É IMPORTANTE ORAR JUNTO COM OS IRMÃOS? A ESTRELA DE DAVID O QUE A BÍBLIA QUER DIZER COM LIGAR E DESLIGAR?ARRANCANDO A CAPA A PARÁBOLA DO RICO E LÁZARO E A RETRATAÇÃO DA VIDA APÓS A MORTE ESPERIÊNCIAS COM DEUS TEXTOS BÍBLICOS SOBRE POLÍTICA O CONSELHO DE AITOFEL PARA QUE A UNÇÃO? O VERBO DE DEUS SINCRETISMO RELIGIOSO MATEMÁTICA DE DEUS APRENDENDO A ESPERAR O CARCEREIRO DO AMOR EXEMPLO DE HUMILDADEO QUE A BÍBLIA DIZ SOBRE O HALLOWEEM OUVÍR A VOZ DE DEUS ENCONTROS CELESTIAIS! PROVIDÊNCIA NA CRIAÇÃO E PRESERVAÇÃO A MULHER SÁBIA É BOM O BOM COMBATE O QUE ACONTECE QUANDO UMA PESSOA MORRE? COMO ENCONTRAR A IGREJA VERDADEIRA? A MENSAGEM DE DEUS PARA NOSSOS DIAS QUANDO JESUS VOLTARÁ? CASAMENTO DURADOURO INICIANDO UMA VIDA CRISTÃA IGREJA DE CRISTO SERÁ QUE A MAIORIA PODE ESTAR ERRADA? DEUS É JUSTO? O QUE É E ONDE É O INFERNO? O SEGREDO DA ORAÇÃO RESPONDIDA O SEGREDO DA FELICIDADE O VERDADEIRO DESCANSO TESTEMUNHAR PARA CRESCER UM ESTILO DE VIDA SAUDÁVEL DEUS PERDOA OS ADÚLTEROS? SOBERANIA DE DEUS E UNIDADE DA FÉ NA IGREJA AS QUATRO MEDIDAS DO AMOR DE DEUSCRENTES QUE PRECISAM DE SALVAÇÃO OS DEZ MANDAMENTOS - ESTUDANDO O 6° MANDAMENTO ONDE FOI QUE EU ERREI? APRENDENDO A SEMEAR COMO ACONTECEM OS MILAGRES MILAGRES DO NATAL PRESENTES DE NATAL NATAL É TEMPO DE COMUNHÃO NATAL É ... SIGA A ESTRELA SENTIMENTOS DO NATAL LUZES DO NATALPOR QUE CHORAMOS? O QUE É MISSÃO? O FLUIR DE DEUS QUAL A DIFERENÇA ENTRE ALMA E ESPÍRITO DO HOMEM? JUDAS E O TEMPO DO FIM AMBIÇÃO ESPIRITUAL VIDA DE ADORADOR UMA IGREJA MISSIONÁRIA ENDIREITANDO A VIDA O CULTO RACIONAL VOCÊ SABE AGRADECER? DIMENSÕES DO FRUTO DO ESPÍRITOA TROMBETA DE DEUS ENFRENTANDO A SOLIDÃO SUBINDO PARA DEUS A DEFESA DA FÉ A PARÁBOLA DO RICO E LÁZARO E A RETRATAÇÃO DA VIDA APÓS A MORTE ESPERIÊNCIAS COM DEUS



























JESUS TE AMA MUITO!




VOCÊ TAMBÉM VAI GOSTAR DE...
































































































































































































































































































































































































































































Google+ Badge