Seguidores

OLIMPÍADAS: RESSURGIMENTO DE UMA IDOLATRIA ANTIGA

OLIMPÍADAS:
RESSURGIMENTO DE UMA IDOLATRIA ANTIGA




1 – A História das Olimpíadas
         a) Religião e esporte na Grécia antiga. A prática esportiva, bem como uma série de outras práticas desenvolvidas pelo ser humano, possuía — nas civilizações antigas — um fundamento religioso. Os Jogos Olímpicos, hoje em dia bastante popularizados, não fogem à regra. Tais jogos ocorreram pela primeira vez em Olímpia — uma das cidades-estado da Grécia antiga, em meados de 776 a.C. Por conta disso, chamavam-se Olimpíada, pois aconteciam na cidade de Olímpia. 
            Na Grécia antiga, quatro grandes festivais religiosos eram celebrados com jogos esportivos: 1) Os Píticos — dedicados a Apolo (deus do sol) e realizados no santuário de Delfos; 2) Os Ístmicos — realizados no santuário de Corinto e dedicados a Poseidon (deus dos mares); 3) Os Nemeus — realizados em Nemeia, no santuário de Zeus (o deus dos trovões, o pai dos deuses), e a ele dedicados; e 4) Os Olímpicos — realizados em Olímpia e também dedicados a Zeus, a sua esposa Hera (deusa protetora do casamento e da mulher) e aos deuses do Olimpo (montanha mais alta da Grécia, na qual moravam as principais divindades do panteão grego).

          b) O fundamento religioso das Olimpíadas. Dentro da tradição mitológica, os jogos de Olímpia foram criados pelo herói Hércules, filho do deus Zeus com uma mortal. Hércules foi obrigado pela deusa Hera a realizar doze trabalhos considerados impossíveis. O quinto desses trabalhos consistia em limpar os currais do rei Áugias, pois — além de não serem limpos há mais de 30 anos — continham milhares de animais. Após conseguir realizar o feito, Hércules decidiu inaugurar, em Olímpia, um festival esportivo em homenagem a Zeus, seu pai.
         À época, tal explicação mitológica harmonizava o entendimento dos gregos com os esportes olímpicos. Portanto, sempre que os jogos eram abertos, havia um ritual de sacrifício de animais e louvor a Zeus, com o acendimento da Chama Olímpica à deusa Hera, de maneira que cada competição relacionava-se com o culto a essas divindades. Os outros deuses gregos eram louvados também, mas os dois deuses principais eram Zeus e Hera.

             c) O acendimento da Tocha Olímpica. Esta também pode ser chamada de Chama Olímpica ou Fogo Olímpico. A Grécia antiga cultuava o poder e o fogo. Na Olimpíada, o fogo tinha significado divino, porque presumia-se que o titã Prometeu o roubou dos deuses e o entregou aos seres humanos. Por isso, o fogo estava presente para adornar os santuários dos deuses gregos. Constantemente, um fogo permanecia queimando no altar de Héstia (deusa do lar). Como os Jogos Olímpicos honravam principalmente dois deuses (Zeus e Hera) — fogos adicionais eram-lhes acesos em louvor, nos altares das cidades e dos lares.
            O templo de Hera recebia as competições de abertura da Olimpíada, de sorte que as sacerdotisas dessa deusa, esposa de Zeus, acendiam a Chama Olímpica utilizando um disco ou espelho côncavo chamado skaphia; este — como um moderno espelho parabólico — direcionava os raios do sol ao ponto determinado para acender o fogo na pira olímpica. A chama queimava durante os jogos como um sinal de pureza, sacrifício e paz.  O rito simbolizava, no entanto, a devolução do elemento divino a Zeus — o deus mais poderoso para os gregos. Além disso, desde o início, toda ritual em torno do Fogo Olímpicoservia para adorar, honrar, homenagear, glorificar e prestar culto aos deuses da Olimpíada — Zeus e Hera.
           Atualmente, raios do sol refletidos através de um espelho dão origem à Chama Olímpica em frente às ruínas do templo de Hera, na mesma cidade de Olímpia, na Grécia, por mulheres vestidas como “sacerdotisas”. Elas — entre 90 e 100 dias antes de cada edição dos Jogos Olímpicos — realizam tal cerimônia, semelhante à da Grécia antiga.
           O revezamento da Tocha Olímpica. Para celebrar a passagem do fogo de Prometeu ao homem e enaltecer as principais divindades da Olimpíada, os gregos faziam corridas de revezamento com a Tocha Olímpica. Os atletas passavam-na entre si até que o vencedor cruzasse a linha de chegada. Na Era Moderna, a pira olímpica foi acesa pela primeira vez nos Jogos Olímpicos de Amsterdã (Holanda), em 1928. A partir das Olimpíadas de 1936, os atletas passaram a revezar a tocha, antes de, por meio dela, acenderem a pira no início das competições.

            d) Modalidades esportivas da Olimpíada. Atletas de todas as cidades-estado da Grécia reuniam-se em Olímpia para disputar diversas competições esportivas, dentre as quais: atletismo, luta, boxe; corrida de cavalo (biga), corrida a pé; corrida com armadura e combate (hoplitodromia); pentatlo (luta, corrida, salto em distância, arremesso de dardo e de disco) e pancrácio (lutas sem regras, com permissão de socos, cabeçadas, cotoveladas, torções, estrangulamentos, etc.). O vencedor ganhava uma coroa de louros, era recebido como herói em sua cidade, consagrado para toda a vida e transformado em semideus.

         e) Duração dos Jogos Olímpicos. Naquele tempo, a Olimpíada acontecia também de quatro em quatro anos; porém, estabeleceu-se que alguns jogos ocorreriam mensalmente, enquanto outros todos os anos.

            f) A retomada dos Jogos Olímpicos na Era Moderna. Após mais de 1500 anos de a Olimpíada ser proibida pelo imperador romano Teodósio, os Jogos Olímpicos — a partir de 1896 — são retomados em Atenas por iniciativa do aristocrata francês Pierre de Frédy, mais conhecido como Barão de Coubertin. Os vencedores das provas passaram a ser premiados com medalhas.
           Adota-se, desde então, o termo “Olimpíadas”, pois — na competição da Era Moderna — cada modalidade é encarada como uma olimpíada à parte. Na Grécia antiga, era chamada meramente “Olimpíada” ou “Jogos Olímpicos”. Hoje, portanto,Olimpíadas ou Jogos Olímpicos.
      Na era presente, as Olimpíadas ocorrem a cada quatro anos. Num dos cinco continentes, o Comitê Olímpico Internacional (COI) escolhe uma cidade para sediá-las. Os Jogos Olímpicos contam aproximadamente com 42 modalidades de 33 esportes. São cerca de 206 países em busca das medalhas de ouro, prata ou bronze.  

            g) O símbolo das Olimpíadas. O símbolo das Olimpíadas é formado por cinco anéis entrelaçados, tipificando os cinco continentes. Cada qual é representado por uma cor: Oceania (verde), Ásia (amarelo), África (preto), Europa (azul) e América (vermelho). 


2 – O Império Romano Agasalha a Cultura e
Religiosidade Gregas
            a) A tomada do Império Grego. Consoante o Manual Bíblico SBB: “Nos dois séculos anteriores ao nascimento de Cristo, o Império Grego caiu nas mãos dos romanos. Apesar da imposição do sistema administrativo romano na parte leste do Mar Mediterrâneo, a cultura dominante continuou sendo a grega (helenista)”. 

          b) Cultura e religião do Império Romano. A cultura romana foi bastante influenciada pela grega. Os romanos copiaram muitos aspectos da arte, pintura e arquitetura da Grécia. Também eles eram politeístas, isto é, criam em vários deuses. A maior parte dos deuses romanos foi retirada do panteão grego, porém os nomes originais foram mudados, contudo, os rituais e sacrifícios se mantiveram. Por exemplo, Júpiter (Zeus), Juno (Hera), Marte (Ares), Héstia (Vesta), Diana (Ártemis), Vênus (Afrodite), Minerva (Atena), Baco (Dionísio), Ceres (Deméter), etc. Assim formava-se a civilização, a cultura e o panteão religioso greco-romanos, ou seja, relativo aos gregos e aos romanos.

           c) A perduração dos Jogos Olímpicos, entre outros, no Império Romano. Ainda no Manual Bíblico SBB: “Uma das características das cidades do Oriente grego era a realização de jogos inspirados nas grandes festas esportivas de Olímpia e Delfos [como descrito acima]. [...] Jogos desse tipo ocorriam em intervalos fixos, geralmente de quatro em quatro anos, como os Jogos Olímpicos. [...] Os imperadores se interessavam pelos jogos, especialmente Nero [cujo ordenava que os leões devorassem os cristãos no Coliseu de Roma; presume-se que matou Pedro, e Paulo tenha morrido em seu reinado], que viajou pela Grécia participando dos eventos principais — alguns dos quais foram adiados para que ele pudesse participar — culminando com um discurso no estádio do santuário de Ístmia, onde declarou que a Grécia estava livre. O grande interesse que as pessoas tinham pelos jogos pode explicar as frequentes alusões de Paulo, em suas cartas, a corridas (1Co 9.24,26; Gl 2.2; 5.7; Fp 2.16) e prêmios (1Co 9.24,27; Fp 3.14)”.
          Portanto, não há como negar: Cristo ergueu a Sua Igreja no período do Império Romano. Na época dos deuses, cultura, Olimpíada, jogos greco-romanos os cristãos primitivos estavam a todo o vapor! Mas qual foi a posição deles perante os tais? Adiante, saberemos.

 
3 – Olimpíadas: O Moderno Culto aos Demônios
            a) Zeus, Hera e Cia.: falsos deuses da Grécia antiga. Não podemos negar que, além da religiosidade — a espinha dorsal dos Jogos Olímpicos —, os gregos buscavam, por meio deles, paz e a harmonia entre as cidades que compunham a civilização da Grécia antiga. Contudo sabemos, ao certo, que a Olimpíada servia para demonstrar fervor espiritual e exaltação aos deuses do Monte Olimpo; porém, Zeus e Hera eram as divindades principais que recebiam sacrifícios de animais, louvores, honraria e prestação de culto no começo, no meio e no fim dos Jogos Olímpicos. Mas, para elucidação — quem eram Zeus e Hera?
             * Zeus — O mesmo Júpiter dos romanos. O deus do trovão e o pai dos deuses. Filho de Cronos e Reia. Tomou o poder do pai ao obrigá-lo a ingerir uma poção mágica que o fez regurgitar os seus próprios filhos que havia engolido. Marido de Hera, com o qual teve vários filhos.
               * Hera — A mesma Juno dos romanos. Deusa protetora do casamento, da vida e da mulher. Filha de Cronos e Reia. Casou-se com Zeus, seu próprio irmão. Celebrizou-se pelo ciúme que tinha do marido infiel, perturbando com isso a vida de deusas e mortais.
       Os gregos antigos não tinham conhecimento do único e verdadeiro Deus. Achavam que seus deuses eram-lhes necessários, pois por eles explicavam a origem e realidade das coisas. Na verdade, eram ídolos pagãos — deuses falsos —, que, a despeito de serem imortais, possuíam características e atitudes semelhantes às dos seres humanos.
          Os muitos deuses do politeísmo entram em guerras e roubam as esposas uns dos outros, e ninguém estabelece um padrão nem chama o universo a prestar contas disso. Não há fundamento para a moral, a verdade ou a paz no céu; portanto, isso também não pode ocorrer na terra. Se um deus é mais forte ou tem mais autoridade do que os outros, logo, nenhum dos outros deuses pode realmente ser Deus. Assim, retornamos ao monoteísmo. Conforme a Bíblia diz: Entre os deuses não há semelhante a Ti, Senhor, nem há obras como as Tuas. [...] Porque Tu és Grande e operas maravilhas; só Tu és Deus (Sl 86.8,10). 

             b) O Deus de Israel se opõe a outros deuses. A palavra idolatria é formada por dois vocábulos gregos: eidolon(ídolo) + latria (adoração, veneração). Idolatria, portanto, é a adoração a ídolos, ou a tudo aquilo que, em nosso coração, tira o predomínio de Deus (Cl 3.5; Mc 12.30).
            A idolatria é um pecado grosseiro e afrontoso ao único e verdadeiro Deus, porque: 1) rouba-lhe a glória, e consagra-a às obras que nada são; 2) ignora-lhe a eterna e inquestionável soberania; e 3) zomba do poder divino, tirando-lhe a exclusividade.
         Sendo assim, Zeus, Hera e quaisquer outros deuses entram na classificação de ídolos, já que tomam a adoração, a devoção, a honra e a exclusividade do Deus da Bíblia (no hebraico, YHWH) — Yahweh, Javé ou Jeová: * o Excelso Criador (Sl 8.3-9), * Infinito (Sl 57.11; Zc 14.9), * Pessoal (Sl 113.6; 1Cr 28.9; Jr 24.7; Jo 17.3; Lc 10.22), * Trino (Mt 28.19; 1Jo 5.7; 2Co 13.13), * Amor (1Jo 4.8,16), * Santíssimo (Is 6.3; Ap 4.8; Lv 11.45). Dizem as Sagradas Escrituras: Falou mais Deus a Moisés e disse-lhe: Eu sou Jeová, e apareci a Abraão, a Isaque e a Jacó como Deus Todo-Poderoso; mas pelo Meu Nome Jeová [YHWH] não lhes fui conhecido (Ex 6.2,3, Tradução Brasileira). Na sarça ardente, Deus explicou o significado de Seu Nome: “EU SOU O QUE SOU” (Ex 3.13,14). Portanto, Javé não significa apenas Aquele que é, mas Aquele que tem existência própria, que é em Si mesmo e por Si mesmo.
            Yahweh é chamado 203 vezes de “Deus de Israel” na Escritura. E diz o Deus de Israel: Não terás outros deuses diante de Mim (Dt 5.6). Somente Ele é o verdadeiro Deus: O Senhor é Deus; nenhum outro há senão Ele. Pelo que hoje saberás, e refletirás no teu coração, que só o Senhor é Deus em cima no céu, e em baixo da terra; nenhum outro há (Dt 4.35,39).
             Os deuses das nações — tanto os antigos como os atuais — são, por certo, divindades falsas criadas pela imaginação do homem: Houve alguma nação que trocasse os seus deuses, posto que não são deuses? Todavia o meu povo trocou a sua glória pelo que não é de nenhum proveito (Jr 2.11; cf. Is 44.8). Nenhuma divindade é semelhante ao Deus de Israel —Lembrai-vos [...] Eu sou Deus, e não há outro Deus, não há outro semelhante a Mim (Is 46.9); Para que saiba desde o nascente do sol, e desde o poente, que fora de Mim não há outro: Eu sou o Senhor, e não há outro (Is 45.6). De modo que Zeus e outros deuses são, entretanto, ídolos: deuses falsos.
             Por conseguinte, temos a verdade do Deus Altíssimo acerca de Zeus, Hera e dos outros que lhes fazem companhia:
                  a)  São ídolos sem sentidos, porque não veem, nem ouvem, nem comem, nem cheiram (Sl 115.4; Dt 4.28);
                  b) São ídolos imotos (não se movem de maneira alguma), por isso não andam nem se mexem (Sl 40.20);
                  c) São ídolos impotentes, pois nada podem fazer (Jr 10.5; Is 45.20);
                  d) São ídolos enganadores, porque torcem a imagem de Deus (Jr 10.15; Rm 1.22,23);
                  e) São falsos e vãos (1Co 16.26; Jr 10.5,15).
         O Santo de Israel condena fortemente a idolatria (Dt 5.7-9; 1Jo 5.21). Incluindo a idolatria moderna de adoração e formas de culto a deuses antigos, a humanidade há de ser julgada — e de forma justa — por essa grande tolice. A consciência e inteligência que Deus nos deu, contradiz tamanha loucura supersticiosa. A Bíblia aponta para a loucura de se confiar nos ídolos (Sl 115.4-8; Ap 21.8). Há um demônio por trás de cada ídolo: e ele constituiu para si sacerdotes para os altos, e para os demônios, e para os bezerros que fizera (2Cr 11.15). Logo, o Diabo opera mediante os ídolos, porque são personificações os demônios. Veja Salmo 106.36-38; 1Coríntios 10.19-21. 

        c) Rituais malignos ressurgidos a olhos vistos nas Olimpíadas. Por acaso, nos dias de hoje, não são as Olimpíadas, desde sua origem, a continuação dos cultos e oferendas aos falsos deuses Zeus e Hera? Os Jogos Olímpicos serviam para prestar-lhes adoração e honra — até oferendas de vidas imoladas sobre o altar. Como se chama isso? — Culto aos demônios: E nunca mais sacrificarão os seus sacrifícios aos demônios, após os quais se prostituem (Lv 17.7).
          Embora a figura deles não esteja em proeminência atualmente, a realidade é que eles ainda prosseguem sendo louvados e glorificados através das Olimpíadas. Suas figuras desapareceram, porém o sistema de culto está em alta! Quem está sob tal evento — participando ou torcendo — oferece, de igual modo, sacrifício de si mesmo aos demônios: Porque te não inclinarás diante de outro deus; pois o Nome do SENHOR é Zeloso; Deus zeloso é Ele; para que não faças concerto com os moradores da terra, e não se prostituam após os seus deuses, nem sacrifiquem aos seus deuses, e tu, convidado deles, comas dos seus sacrifícios, e tomes mulheres das suas filhas para os teus filhos, e suas filhas, prostituindo-se após os seus deuses, façam que também teus filhos se prostituam após os seus deuses (Dt 34.14-16).
           O ritual de exaltação a Satanás por intermédio de Zeus e Hera continua nas Olimpíadas às claras — tal qual no passado, a provar que é o ressurgimento do culto ao Maligno em plena Era Moderna. No passado, no momento da Olimpíada, em total glorificação a Zeus — por ter restituído o fogo (elemento sagrado) que um titã havia roubado dos deuses, acendiam-se fogueiras nos templos e nos lares dos antigos gregos. E não apenas isso: havia um ritual sombrio no templo de Hera — recebedor dos Jogos Olímpicos na antiguidade —, onde sacerdotisas (para evocar a presença e a participação dos deuses nas competições) apanhavam uma quantidade de grama seca e a punham voltada para a skaphia — espécie de espelho côncavo capaz de agregar os raios do sol num só ponto, de sorte que formavam, na pira — a Chama Olímpica. Até que o vencedor cruzasse a linha de chegada, a Tocha Olímpica era revezada pelas mãos dos atletas, como ritual de adoração e júbilo a Zeus, denominado muito “poderoso” por haver resgatado o fogo de volta aos deuses.
            Entre 90 e 100 dias antes do início das Olimpíadas atuais, defronte das ruínas do templo de Hera — em Olímpia — no mesmo local em que faziam o rito na antiguidade (ante as câmeras), 11 mulheres ficam vestidas a caráter — como sacerdotisas e representantes do ritual de Hera, enquanto uma delas acende a Tocha Olímpica pelos raios solares concentrados através de um espelho parabólico. Após isso, o Fogo Olímpico é levado ao país onde sucederá o evento, seguindo a celebração de revezamento de cidade em cidade, num percurso que termina no Estádio Olímpico; neste é acesa a pira, a iniciar os Jogos Olímpicos.
            Na atualidade — de maneira escancarada, será que tudo isso é mera coincidência? Não! É o ressurgimento a olho nu do culto aos demônios! É o homem desviado de Deus e a serviço de Satanás nos adias atuais. A Escritura é categórica: E os outros homens, que não foram mortos por estas pragas, não se arrependeram das obras de suas mãos, para não adorarem os demônios e os ídolos de ouro, e de prata, e de bronze, e de pedra, e de madeira, que nem podem ver, nem ouvir, nem andar (Ap 9.20); Com deuses estranhos o provocaram a zelos; com abominações o irritaram. Sacrifícios ofereceram aos diabos, não a Deus; aos deuses que não conheceram, novos deuses que vieram há pouco, dos quais não se estremeceram seus pais (Dt 32.16,17).
        Os que se entregam às Olimpíadas, com certeza, comem com voracidade os manjares de Satanás atirados à humanidade. O Diabo cegou os homens (2Co 4.4), e através dos Jogos Olímpicos estão o servindo. O Deus Altíssimo exige pureza comportamental e doutrinária: E digo isto, e testifico no Senhor, para que não andeis mais como andam também os outros gentios, na vaidade da sua mente. Entenebrecidos no entendimento, separados da vida de Deus pela ignorância que há neles, pela dureza do seu coração; os quais, havendo perdido todo o sentimento, se entregaram à dissolução, para com avidez cometerem toda a impureza. Mas vós não aprendestes assim a Cristo (Ef 4.17-20).  

4 – O Testemunho da História: Os Cristãos Primitivos Eram contra os Jogos Olímpicos
             a) A Igreja é a Ekklesia de Deus. Quando os autores do Novo Testamento escreveram sobre a Igreja, o Espírito Santo os inspirou (2Pd 1.21) a usarem a palavra Ekklesia cerca de 112 vezes. Esta palavra encerra em si só o sentido: “chamado para fora” — expressão que coincide com tudo aquilo que a Bíblia fala sobre a Igreja.

            b) Do povo que Deus “chamou para fora”, Ele fez “um povo Seu e especial” (Tt 2.14). A Bíblia diz que esse povo foi feito “a geração eleita, o sacerdócio real, a nação santa, o povo adquirido” (1Pd 2.9; cf. Ex 15.16,17). “Um povo que formei para Mim, que Me desse louvor” (Is 43.21). Quando Deus disse: “Eu serei o seu Deus e eles serão o Meu povo” (2Co 6.16), impôs como condição que se apartassem da “Babilônia deste mundo” e não “tocassem em nada imundo” (2Co 6.14-18). É este povo, o povo que foi salvo do mundo a fim de viver para o Senhor, que é a verdadeira Ekklesia — a Igreja de Deus — tão preciosa aos olhos dEle! As Escrituras dizem que Ele a escolheu para o Seu tesouro especial (Sl 135.4), e Seu particular tesouro (Ml 3.17). 

            c) Os crentes primitivos, participantes da Ekklesia — chamados para fora do mundo — condenavam quaisquer jogos e esportes. Os cristãos primitivos não se entregaram aos esportes, nem aos jogos, nem à Olimpíada. A história dá-nos provas incontestáveis dessa verdade. O Apóstolo Paulo disse: Porque nada podemos contra a verdade, senão pela verdade (2Co 13.8). A voz da história brada a testificar o modo de viver dos primeiros seguidores da fé cristã. Eis as provas:

         * Clemente de Alexandria (195 d.C.): “Mas, se me dizem que tomam os espetáculos como um tipo de jogo, como diversão e passatempo, eu afirmo que não são prudentes aquelas cidades que levam a sério os jogos. Não, já não são jogos essa cruel ambição de glória, que chega ao extremo da morte; também não a cobiça de vaidades, nem esses irracionais luxos e gastos sem sentido”.

          * Tertuliano (197 d.C.): “Todo zelo na busca de glória e honra está morto em nós […] Entre nós nunca se diz, vê ou escuta nada que tenha algo em comum com a loucura do circo, com a desonestidade do teatro, com as atrocidades dos jogos de areia ou com o exercício inútil do campo de luta livre. Por que se ofendem conosco se divergimos de vocês quanto a seus prazeres? [...] Muito menos pode transtornar-nos as festas dos espetáculos, porque igualmente renunciamos estas festas — como sua origem supersticiosa e as ações com que se celebram [...] Em que lhes ofendemos em presumir que há outros deleites mais gostosos do que seus jogos?”

          * Marco Minúcio Félix (200 d.C.). Este cita, em seus escritos, o que um romano disse a um cristão: “Vocês [cristãos] não assistem aos jogos esportivos. Não têm nenhum interesse nas diversões, nem vais a espetáculo, nem participas de procissão. Recusam os banquetes, e detestam os jogos sagrados […] Desta maneira, se têm vocês sensatez ou juízo algum, deixem de fixar-se nos céus e nos destinos e segredos do mundo” (Minúcio Felix. Octavius, capítulos 8,12). 

       * Lactâncio (304-313 d.C.): “As celebrações dos jogos são festividades em honra aos deuses, pois elas foram instituídas devido à data de seu nascimento ou à dedicação de novos templos […] Portanto, se alguém está presente nos espetáculos nos quais se reúnem os homens por causa de sua religião, desviou-se da adoração de Deus". 

             Igualmente, o historiador Tácito destaca que os cristãos eram considerados os “odiosos da humanidade” — isto é, eles se apartavam terrivelmente do esportismo e das jogatinas que chegavam a “inspirar profunda aversão, antipatia, desprezo, asco ou nojo”. As palavras de Jesus, em João 15.19, cumpriam-se neles: Se vós fôsseis do mundo, o mundo amaria o que era seu, mas, porque não sois do mundo, antes Eu vos escolhi do mundo, por isso é que o mundo vos aborrece.Definitivamente, o estilo de vida deles — em virtude da fé que abraçaram — abstinha-os de jogos, de esportes, de teatros e de lazer, visto que a vida social e cultural do Império Romano girava em torno dos deuses pagãos. Os Jogos Olímpicos eram uma ocasião de festejo religioso para os gregos, que aproveitavam os dias da competição com o fito de dar oferendas nos templos destinados aos deuses Zeus e Hera. A Olimpíada, de igual modo, perdurou no Império Romano. Em tais jogos e competições, Júpiter e Juno (como Zeus e Hera eram chamados na mitologia romana) recebiam adoração, sacrifícios de animais, acendimento e revezamento da tocha, honraria e louvores. O estopim de jogos e esportes remonta à idolatria e ao paganismo, pois serviam de culto e sacrifício aos falsos deuses.
          Sob o Império Romano, os crentes primitivos viveram na época dos Jogos Olímpicos. Mas perante eles a Olimpíada perdeu as forças, reduziu-se a cinzas, porque se comportaram exclusivamente como “Noiva de Cristo” (virgem e imaculada), e não se comprometeram nem fizeram alianças com o estilo de vida, jogos e diversões carnais que honravam os falsos deuses, pois entendiam, segundo a Palavra de Deus, que o salvo não deve assentar-se à mesa do Senhor e à mesa dos demônios (1Co 10.20,21).  

            d)  O posicionamento de Teodósio no tocante à Olimpíada. No ano 380 d.C., o imperador romano Teodósio I converteu-se ao Cristianismo e foi batizado. Por consequência, no ano 392 d.C., as manifestações religiosas do politeísmo grego, a adoração pública dos antigos deuses, teatros, circos e os Jogos Olímpicos foram terminantemente proibidos.
           E por que Teodósio fez isso? — Muito bem! A Igreja nunca foi a favor da Olimpíada nem de jogos, esportes, teatros, etc., pois eram práticas derivadas dos falsos deuses, e oriundas de celebrações pagãs e sacrifícios aos ídolos. Os santos dos primeiros séculos da Era Cristã guardavam as recomendações dos Apóstolos do Cordeiro, dentre as quais: Não ameis o mundo, nem o que no mundo há. Se alguém ama o mundo, o amor do Pai não está nele [...] Filhinhos, guardai-vos dos ídolos (1Jo 2.15; 5.21). Como vimos, o testemunho da história mostra que os crentes primitivos eram intransigentes para com essas práticas. Teodósio apenas confirmou e impôs ao império um estilo de vida santo — consagrado e separado para Deus, já vivido pelos cristãos desde a ascensão do Senhor Jesus!
          A Bíblia diz: Ensinando-nos que, renunciando à impiedade e às concupiscências mundanas, vivamos neste presente século [uma vida] sóbria, e justa, e piamente, aguardando a bem-aventurada esperança e o aparecimento da glória do Grande Deus e Nosso Senhor Jesus Cristo; o qual Se deu a Si mesmo por nós para nos remir de toda a iniquidade, e purificar para Si um povo Seu especial, zeloso de boas obras — Tito 2.12-14.

e) O exemplo dos primeiros cristãos sobrevive até hoje. A Igreja — a coluna e a firmeza da verdade (1Tm 3.15) — foi edificada sobre o fundamento dos apóstolos, sendo Cristo a pedra principal (Ef 2.20). Essa repugnância (extrema aversão) aos jogos, aos esportes e à Olimpíada fazia parte da “doutrina dos apóstolos” (At 2.42), pela qual seguiam à risca a recomendação apostólica de Atos 2.40: “Salvai-vos desta geração perversa”. Se os crentes do século I, que ajudaram erguer a Igreja — edifício espiritual de Cristo, tinham tal proceder na época em que os jogos, esportes, campeonatos, competições, circos e teatros fervilhavam no Império Romano, como os cristãos de hoje deitam por terra esse fundamento, envolvendo-se com os mesmos jogos, diversões, esportes e as Olimpíadas que, taxativamente, outrora foram execrados pela Igreja de Cristo? A finalidade da Igreja na Terra é outra (Mt 28.19-20; Mc 16.15,16); certamente, não é se envolver com os Jogos Olímpicos! Ela foi chamada para fora do sistema iníquo, pagão e diabólico deste mundo.
            Fazemos parte do Corpo de Cristo — a Igreja (1Co 12.12,13,27; Hb 12.22,23). E para permanecermos nela é necessário nos apartarmos da imundícia dos povos — quer cultural, quer comportamental, quer religiosa: Pelo que saí do meio deles, e apartai-vos, diz o Senhor, e não toqueis nada imundo, e Eu vos receberei; e Eu serei para vós Pai e vós sereis para Mim filhos e filhas, diz o Senhor Todo-Poderoso (2Co 6.17,18). A mesma iniciativa dos cristãos primitivos — de intransigência sobre os Jogos Olímpicos, entre outros — devemos ter perante este mundo tenebroso, e nos preservarmos como Noiva de Cristo, aguardando o Esposo em santidade até ao Arrebatamento: Tu és formosa, e em ti não há mancha (Ct 4.7); Porque estou zeloso de vós com zelo de Deus; porque vos tenho preparado para vos apresentar como uma virgem pura a um marido, a saber, a Cristo (2Co 11.2).
           A verdadeira de Igreja de Cristo é pura, reta, imaculada, sem manchas nem rugas (Ef 5.27). Ou seja, completamente separada de todas as práticas contrárias ao Altíssimo, à Palavra, ao modo de viver, à fé, etc. Em função disso, a vida de Jesus se manifesta no corpo de cada membro da Igreja de Deus (2Co 4.10), para que em tudo seja irrepreensível e sincero, filho de Deus inculpável em meio a uma geração corrompida e perversa, entre a qual resplandece como astro no mundo (cf. Fp 2.15); por isso, pode testemunhar: “Cristo vive em mim” (Gl 2.20). Consequentemente, não nos deixemos contaminar com as Olimpíadas, traindo o Senhor Jesus Cristo: Como filhos obedientes, não vos conformando com as concupiscências que antes havia em vossa ignorância [...] sede santos em toda a vossa maneira de viver (1Pd 1.14,15).
            Muitos “evangélicos” de hoje têm o mesmo proceder dos ímpios e endemoninhados do Império Romano; além do quê, odeiam os santos do Senhor que se abstêm de torcer e prestar culto a Satanás por meio das Olimpíadas, tachando-os de “cafonas, antiquados, antigos, retrógrados e pessoas dos tempos passados”, transformando-os, atualmente, nos odiosos da humanidade! Assim diz o Senhor: Ponde-vos nos caminhos, e vede, e perguntai pelas veredas antigas, qual é o bom caminho, e andai por ele; e achareis descanso para as vossas almas: mas eles dizem: Não andaremos (Jr 6.16).

5 – Os Pecados dos Jogos Olímpicos
            O que é o pecado? Pergunta que filósofos, cientistas, psicólogos tentam responder; porém, tal resposta — há milênios — encontra-se à farta na Palavra de Deus. Por exemplo, 1João 3.4 dá uma definição, embora pequena, essencial e completa: “O pecado é iniquidade”. No Comentário Bíblico de Beacon (CPAD), a citada passagem é desta forma interpretada: “Pecar é incompatível com o permanecer em Cristo que o cristão experimenta. O espírito de ilegalidade também é incompatível com a guarda dos mandamentos de Deus”.
            São às claras os pecados dos Jogos Olímpicos. O pecado não tem domínio sobre o crente (Rm 6.14), uma vez que mora nele o Espírito de Deus (1Co 3.16,17), de modo que nada dele é entregue como instrumento de iniquidade (Rm 6.13). As Olimpíadas opõem-se ao estilo de vida requerido pela Palavra do Senhor ao cristão, por isso, não terá parte com as Olímpiadas, porque vão contra a sua fé no Filho de Deus: E não comuniqueis com as obras infrutosas das trevas, mas antes condenai-as (Ef 5.11);  E não vos conformeis [seguis o modelo, o padrão; ajusteis] com este mundo, mas transformai-vos pela renovação do vosso entendimento, para que experimenteis qual seja a boa, agradável e perfeita vontade de Deus (Rm 12.2); Odeio o ajuntamento de malfeitores; não me sentarei com os ímpios (Sl 26.5). A religião pura e imaculada do Deus Altíssimo é “guardar-se das corrupções do mundo” (Tg 1.27; cf. 2Pd 2.20).
            Na verdade, é a santificação requerida por Deus — do espírito, da alma e do corpo (1Ts 5.23) — que faz o salvo afastar-se inteiramente das Olimpíadas. Santificação é a obra do Espírito Santo que visa separar os crentes do pecado e da maldade e os dedicar à adoração e ao serviço de Deus (1Pd 1.15,16; Lv 20.8; 1Ts 4.7,8), pois o Eterno apenas habita em lugar santo (Is 57.15; 35.8). Na conversão, há um ato inicial de santificação (Hb 10.10; 1Co 6.11), e, durante a vida, é um processo contínuo (Ap 22.11; 2Co 7.1), à medida que cooperamos com o Espírito Santo quando fazemos morrer nossos maus desejos (Ef 4.22-24; Rm 6.11-23).
             Por conseguinte, eis alguns pecados dos Jogos Olímpicos que são estorvos à santificação do crente:

            a) Idolatria e fanatismo. Como vimos acima, é idolatria tudo o que toma o primeiro lugar de Deus no coração do homem; é amor em extremo, paixão excessiva e vil. Como, na Bíblia, o conceito de idolatria é bastante amplo, assim como a Copa do Mundo — as Olimpíadas são idolatrias aterradoras nos dias atuais. Não só isso, mas também abarcam o fanatismo, que é o sentimento de admiração cega e relutante; devoção, culto, apego.
             Todas as classes sociais das nações, definitivamente, se prostram diante dos Jogos Olímpicos, pois torcem de maneira calorosa pelas delegações enviadas. Tais atletas recebem fama, alta estima pública e são aclamados como deuses, com os mais variados títulos. A Bíblia diz: Sendo tu homem e não Deus, e estimas o teu coração como se fora o coração de Deus (Ez 28.2).
          No mundo inteiro, cidades, países, governos, economias, trânsitos, bancos, universidades, empresas privadas e estatais, setores governamentais param e viram a atenção sobre as Olimpíadas. A idolatria e o fanatismo atingem todas as idades e camadas sociais. Nas escolas, a exemplo, o assunto da vez é os Jogos Olímpicos; trabalhos e apresentações são pedidos. Assevera a Palavra de Deus: Por isso também Deus os entregou às concupiscências de seus corações… Pois mudaram a verdade de Deus em mentira, e honraram e serviram mais a criatura do que o Criador, que é bendito eternamente (Rm 1.24,25). Realmente, o mundo está um caos, porém as pessoas — mesmo precisando do socorro divino — se fecham mentalmente e preferem os prazeres dos jogos: Porquanto o coração deste povo está endurecido, e com os ouvidos ouviram pesadamente e fecharam os olhos, para que nunca com os olhos vejam, nem com os ouvidos ouçam, nem do coração entendam, e se convertam, e Eu os cure (At 28.27).
         Além desse aspecto claro de idolatria e fanatismo, há, ainda, a razão histórica — como abordada há pouco. As Olimpíadas ressuscitaram uma adoração pagã antiga. Elas possuíam rito e caráter religioso bem-definido — para sacrifícios, louvor e adoração a Zeus e a Hera. “Os Jogos Olímpicos na Antiguidade atraem dezenas de milhares de pessoas, pois são também um momento de celebração religiosa para os gregos, que aproveitam os dias da competição para fazer oferendas nos templos destinados aos deuses Zeus e Hera” (Almanaque Abril 2014). A Tocha Olímpica, que hoje é acesa por uma das onze sacerdotisas em frente às ruínas do templo da deusa Hera, em Olímpia, tem a ver com um ritual pagão antigo. Seu revezamento e o uso da pira também. Isso é concomitância acidental de dois fatos e fenômenos? Não, é um nítido ressurgimento dum culto ao Maligno — bem nos dias atuais.
            Satanás é sagaz, e se transfigura em anjo de luz para enganar (2Co 11.14). O certo é que quaisquer deuses — quer do passado quer do presente — são personificações dos demônios. Por intermédio deles, o Inimigo é adorado: Mas que digo? Que o ídolo é alguma coisa? Ou que o sacrificado ao ídolo é alguma coisa? Antes, digo que as coisas que os gentios sacrificam, as sacrificam aos demônios e não a Deus. E não quero que sejais participantes com os demônios (1Co 10.19,20).
           Como as Olimpíadas são idolatrias terríveis nos dias atuais — tanto o aspecto histórico como o presente — a posição que o cristão deve tomar é afastar-se categoricamente desses engodos do Diabo, pois tem de manter firme sua adoração e devoção ao único e verdadeiro Deus: Está escrito: Ao Senhor, Teu Deus, adorarás e só a Ele darás culto (Lc 4.8, ARA); Ora, ao Rei dos séculos, imortal, invisível, ao único Deus sábio, seja honra e glória para todo o sempre (1Tm 1.17).

            b) Porfia e emulação. Se bem que todas as obras da carne sejam encontradas nos Jogos Olímpicos (cf. Gl 5.19-21), duas delas estão em seu âmago desde a Grécia antiga e perduram até os dias atuais; também são a razão pela qual atletas de várias nações se ajuntam: porfia e emulação. Isso é fato — e não dá para esconder!
            Porfia é “busca por superioridade; disputa acirrada de qualquer natureza; competição; disputa; rivalidade”. Emulaçãosignifica “sentimento elevado de competição que leva alguém a tentar igualar-se a outrem ou superá-lo em mérito; competição, concorrência”. Ora, não é isso — com todas as letras — que ocorre nas Olimpíadas, nas 42 modalidades dos 33 esportes? Qual é a razão de países enviarem atletas? Pois é... Não há jeito: o espírito de porfia e emulação está no cerne dos Jogos Olímpicos desde o princípio!
            Seja atletas, seja torcedores — quem toma parte nos Jogos Olímpicos (inevitavelmente) compete, disputa, rivaliza com outra equipe, pleiteia com os outros, quer ser o melhor, busca superação, caça concorrência, etc.; por conseguinte, está sob duas obras da carne. As obras da carne revelam a natureza mais decadente do ser humano, pois através delas transmite os hábitos pecaminosos e destetáveis aos olhos do Todo-Poderoso.
          Segundo as Escrituras Sagradas, qualquer pessoa que porfia e/ou emula não entrará no Reino de Deus: Porque as obras da carne são manifestas, as quais são: [...] inimizades, porfias, emulações […] coisas semelhantes a estas, acerca das quais vos declaro, como já antes vos disse, que os que cometem tais coisas não herdarão o Reino de Deus (Gl 5.19,20). Face ao exposto, que triste fim terão os que comungam com os Jogos Olímpicos! Veja Lucas 13.27,28.
       Assim como o Senhor Jesus deixou-nos o exemplo de humildade, a lavar os pés dos discípulos (Jo 13.1-17) — competições, disputas, rivalidades, pleitos, concorrências, de forma alguma, podem fazer parte da vida do salvo pelo Senhor:Nada façais por contenda ou por vanglória, mas por humildade; cada um considere os outros superiores a si mesmo (Fp 2.3). Tal ordenança de Cristo tem espaço nas Olimpíadas? Jamais. Isso não é papo-furado — é Bíblia! “Quando há algo na Bíblia que as igrejas não concordam, elas o chamam de legalismo” (Leonard Ravenhill).

         c) Corrida por coisa perecível. Nos países do mundo, não existe contribuição alguma das Olimpíadas para a formação da sociedade — nem no bem-estar, nem na formação, nem na educação, nem na moral, nem na ética, nem nos bons costumes, nem nos valores humanos, nem no senso de separar o certo e o errado, nem na apartação das más-influências, etc. Os Jogos Olímpicos nem sequer ajudam o ser humano a compreender o mínimo das coisas sobreditas. Isso não é conversa fiada, mas tal reflexão é absolutamente comprovada.
            O Comitê Olímpico Internacional (COI) não faz nenhum caso da sociedade, nem mesmo estende a mão para de ajudá-la na sua formação. São gastos bilhões de dólares em cidades olímpicas, ginásios, estádios, propagandas, etc. Cada local onde passa a Tocha Olímpica vão-se somas de dinheiro, enquanto hospitais, escolas, creches, abrigos, albergues, etc., precisam de verbas, manutenção e ampliação.  Conforme o site da revista Época

             [...] os governos dos países e das cidades sedes pagam a conta. As construções e reformas de estádios e ginásios, o que há de mais caro e essencial para a realização dos eventos, são pagas com os impostos das populações das sedes. Os bilhões de dólares o COI arrecadam com as Olimpíadas são majoritariamente repassados para os cartolas que estão abaixo deles na estrutura, como federações nacionais e comitês.

           Decerto, as Olimpíadas são prazeres momentâneos, daqui a pouco, quando acabarem, vem à tona a realidade! Os Jogos Olímpicos são competições incertas e perecíveis, os quais não sentem a dor do próximo nem se prontificam em ajudá-lo. Nas Olimpíadas, quem torce, joga ou apoia corre num percurso que não terá utilidade alguma nesta vida nem no dia da prestação de contas com o Senhor: — Não sabeis vós que os que correm no estádio, todos, na verdade, correm, mas um só leva o prêmio? Correi de tal maneira que o alcanceis. E todo aquele que luta de tudo se abstém; eles o fazem para alcançar uma coroa corruptível; nós, porém, uma incorruptível, pois eu assim corro, não como a coisa incerta; assim combato, não como batendo no ar. Antes subjugo o meu corpo, e o reduzo à servidão, para que, pregando aos outros, eu mesmo não venha de alguma maneira a ficar reprovado (1Co 9.24-27).
          Em contrário das Olimpíadas, apesar de sua origem humilde, a Igreja de Cristo realizou mais mudanças em prol da Terra do que qualquer outro movimento significativo da história. Para termos ideia, extraímos da obra E se Jesus não tivesse nascido? algumas contribuições positivas do Cristianismo no decorrer dos séculos:

             * Os hospitais, que basicamente surgiram na Idade Média.
       * As universidades, que também surgiram na Idade Média. Além disso, a maioria das grandes universidades foi fundada por cristãos para propósitos cristãos.
           * A alfabetização e o ensino para o povo.
           * Abertura da escola pública.
           * O capitalismo e a iniciativa privada.
           * A separação dos poderes políticos.
           * Os direitos civis.
           * A abolição da escravatura, tanto na antiguidade como nos tempos modernos.
           * A ciência moderna.
           * A descoberta do Novo Mundo por Colombo.
           * A valorização das mulheres.
           * A bondade e a caridade; tal ética veio pela passagem do bom samaritano (Lc 10.25-37).
         * A ascensão do homem comum; condenação do adultério, do homossexualismo e de outras perversões sexuais. Isso ajudou a preservar a humanidade, o seio familiar e poupou a muitos do sofrimento.
           * Mais respeito pelo ser humano.
           * A civilização de muitas culturas bárbaras e primitivas.
           * A codificação e transcrição de muitos idiomas.
           * O maior desenvolvimento da arte e da música. Inspiração para os maiores trabalhos de arte.
           * Inúmeras vidas que de sujeição passaram a benefício para a sociedade devido ao Evangelho.
           * A salvação eterna de incontáveis almas.
 

            A Igreja do Senhor contribui para sociedade. Urge no salvo a vontade de praticar o bem e ensinar os princípios santos da Palavra de Deus: “Recomendando-nos somente que nos lembrássemos dos pobres: o que também procurei fazer com diligência” (Gl 2.10); “Portanto ide, ensinai todas as nações...” (Mt 28.19); “Ensina-me bom juízo e ciência, pois cri nos teus mandamentos” (Sl 119.66).
        Enquanto isso, as Olimpíadas são corridas por coisas perecíveis, pois, conquanto existam a milênios — antes da fundação da Igreja —, seus falsos deuses nunca fizeram nada de bom pela humanidade. As medalhas servem tão só para os ganhadores, e em nada mais contribuem: Porque o exercício corporal para pouco aproveita, mas a piedade (devoção, fervor espiritual ao Senhor) para tudo é proveitosa, tendo a promessa da vida presente e da [vida] que há de vir (1Tm 4.8).

           d) Extração do sentimento de juízo. O tipo de entretenimento oferecido pelos Jogos Olímpicos, ainda, é o grande vilão da história. Certa vez, Robert Solomon, bispo metodista singapuriano, disse: “Ficamos desconfortáveis com o silêncio, porque o silêncio nos obriga a enfrentar Deus”. Sempre o Inimigo prepara meios para prender a atenção do ser humano para que não pense que um dia entrará no juízo de Deus. A Escritura atesta: Porquanto [Deus] tem determinado um dia em que com justiça há de julgar o mundo, por meio do varão que destinou [Jesus Cristo]; e disso deu certeza a todos, ressuscitando-O dos mortos (At 17.31).
           Na Harpa Cristã, o hino 169 diz: No juízo não pensava, nem na minha perdição. Ainda que as pessoas estejam em tempo livre, preferem que inúmeros entretenimentos (dentre os quais, as Olimpíadas) consumam o seu tempo, entrando num mundo irreal fornecido por aqueles que estão ao sabor de Satanás. Tais ocupações impendem-nas de refletir e enfrentar a realidade. Como isso é triste! É evitar o autoexame! — Cada um de nós dará conta de si mesmo a Deus (Rm 14.12). Jerusalém não pensava no seu fim, de modo que foi arruinada: A sua imundícia está nas suas saias; ela não pensava no seu fim; por isso, caiu de modo espantoso e não tem quem a console. Vê, Senhor, a minha aflição, porque o inimigo se torna insolente (Lm 1.9, ARA).
             Quando o ser humano está a sós, em seu silêncio, se depara com a curta duração da vida; isto o faz pensar no seu fim, o que o induz a fazer um checape de sua vida. A Bíblia Sagrada revela a fragilidade e a brevidade da vida humana. Jó, em sua angústia, disse: “Os meus dias são mais velozes do que a lançadeira do tecelão [...] a minha vida é como o vento” (Jó 7.6,7). Davi fala da morte como o “caminho de toda a terra” (1Rs 2.2), observando: “Porque o homem, são os seus dias como a erva; como a flor do campo, assim floresce; pois, passando por ela o vento, logo se vai, e o seu lugar não conhece mais” (Sl 103.15,16). O salmista pediu ao Altíssimo: “Ensina-nos a contar os nossos dias de tal maneira que alcancemos corações sábios” (Sl 90.12). O Apóstolo Tiago salienta: “Porque, que é a vossa vida? É um vapor que aparece por um tempo, e depois se desvanece” (Tg 4.14). Assim sendo, a morte põe um fim à nossa oportunidade de tomar decisões que afetarão nosso futuro eterno. Com a morte, a alma do pecador impenitente entra num estado de sofrimento e dor, e ainda aguarda padecimento maior na ressurreição da condenação, quando sofrerá o dano da segunda morte — a eterna separação de Deus (Lc 16.19-31; Jo 5.58,29; Ap 20.11-15).
           Por que continuar enganando a si mesmo no entretenimento, empurrando a vida com a barriga? Os Jogos Olímpicos são passageiros e despertam alegria momentânea, não dando esperança futura. Aliás, eles extraem o sentimento de juízo vindouro. Mas se a morte chegar até nós agora, qual será o nosso fim? E, como aos homens está ordenado morrerem uma vez, vindo, depois disso, o juízo (Hb 9.27). Por isso, o Apóstolo Paulo nos advertiu: E digo isso para proveito vosso; não para vos enlaçar, mas para o que é decente e conveniente, para vos unirdes ao Senhor, sem distração alguma (1Co 7.35).

Nenhum comentário:

Postar um comentário

OBRIGADO PELA VISITA! QUE DEUS ABENÇÕE!

Chat da Rádio a Última Oportunidade



Camisas e Panos de Prato Pintados à Mão, clique na imagem e Confira!




NOVA VERSÃO DO APP ANDROID DA RÁDIO A ÚLTIMA OPORTUNIDADE

CLIQUE NESTE LINK E FAÇA DOWNLOAD, E OUÇA A RÁDIO A ÚLTIMA OPORTUNIDADE NO SEU CELULAR ANDROID OK!


CLIQUE NESTE LINK E OUÇA A RÁDIO A ÚLTIMA OPORTUNIDADE NO SEU CELULAR ANDROID OK!





OUTRO PLAY DA RÁDIO EVANGÉLICA A ÚLTIMA OPORTUNIDADE



Abrir Player Pop-up









ESTUDO BÍBLICO DIVERSOS E RÁDIO EVANGÉLICA A ÚLTIMA OPORTUNIDADE, A RÁDIO QUE CHEGOU PARA TE AJUDAR EM ORAÇÃO!






PROMESSAS DO SENHOR



VOCÊ TAMBÉM VAI GOSTAR DE:


O AGUILHÃO DO PECADO RETRATOS DE JESUS O PODER DA ORAÇÃO ALMAS PERDIDAS OLIMPÍADAS: RESSURGIMENTO DE UMA IDOLATRIA ANTIGA A HERESIA DA ÁGUA UNGIDA PROCURA-SE NASCIDO PARA LUTAR A promessa da morte (Uma Páscoa Vazia) Está Cristo dividido? Entendendo a permissão de Deus O orgulho religioso: O fariseu e o publicano Como conseguir o perdão de Deus? O cristão pode ter seu nome riscado do Livro da Vida? QUEBRANTAMENTO VERDADEIRA PRONTIDÃO PROEMINÊNCIA NO EVANGELHO QUANDO JESUS VOLTAR, O QUE VOCÊ ESTARÁ FAZENDO? O LUGAR DO ZICA NA PROFECIA CARNAVAL : O EXPOSITOR DAS OBRAS DA CARNE A REDE MARAVILHOSA O QUE A BÍBLIA DIZ SOBRE HOMOSSEXUALIDADE ENTRE A FÉ A RAZÃO O TREM DAS TRIBULAÇÕES O CORAÇÃO DIVIDIDO JESUS É TUDO QUE VOCÊ PRECISA! 20 RAZÕES POR QUE NÃO COMEMORAMOS O NATAL AS LÍNGUAS ESTRANHAS NA HISTÓRIA A Astúcia do Casamento Misto O Maior Assombro do Mundo A ILUSÃO DOS DESIGREJADOS Maldição Hereditária: Falsa Doutrina com Aparência de Piedade CAÇADORES DE LEÕES LIDERANÇA SAUDÁVEL NOS PASSOS DE JESUS ETERNAMENTE JESUS JESUS É MAIS FORTE O HOMEM E A FIGUEIRA 3 LIÇÕES QUE APRENDEMOS NO VALE DE OSSOS SECOS RAÍZ DE AMARGURA COISAS QUE DEUS NÃO PODE FAZER O JULGAMENTO HUMANO ATÉ ONDE VAI COM O SENHOR? COMO CRESCER NA FÉ? CONSELHOS DE JESUS ONDE DEUS ESTÁ? O QUE ACONTECE ENQUANTO ORAMOS? SINAIS DO PENTECOSTES LIDERANDO EM MEIO À TEMPESTADE ESTRUTURA DA IGREJA PRIMITIVA SOMOS O SAL DA TERRA SANSÃO E DALILA - EM QUE CONSISTE SUA FORÇA! OS SANTOS NA CASA DE CÉSAR VOLTANDO À IGREJA PRIMITIVA QUEM É JESUS? A GRAÇA DE DEUS INTERCEDENDO PELOS DESESPERANÇADOS TENDO A CERTEZA DA SALVAÇÃO TORNANDO-SE VERDADEIROS ADORADORES ENCARNANDO A PALAVRA AS QUATRO FASES DA VIDA DESVENDANDO O CORAÇÃO MAIS QUE VENCEDORES O AMOR CLAMA POR PUREZA SILOÉ - JESUS NA FESTA DOS TABERNÁCULOS O TOQUE DA ÚLTIMA TROMBETA... DESPERTA!!! OS CINCOS  MINISTÉRIOS RESTAURANDO O SONHO PERDIDO HUMILDADE IDENTIFICANDO UM TERRÍVEL ENGANO O AMOR CLAMA POR INTIMIDADE CONHECENDO A JESUS TRANSFIGURADO A ARCA DA ALIANÇA NO CORAÇÃO OS LIVROS DE DEUS O SEGREDO DO MINISTÉRIO SOBRENATURAL DE JOÃO BATISTA ATÉ QUANDO Ó PREGUIÇOSO PLANTAÇÃO COM A COLHEITA CERTA O QUE É AMOR? O FIO DA ESPERANÇA O PAI NOSSO, PÃO NOSSO... TEU REINO, TUA VONTADE LEIS ESPIRITUAIS DE CAUSA E EFEITO A NOVA JERUSALÉM AS MARAVILHAS DA CIDADE CELESTIAL QUANDO SERÁ O FIM DO MUNDO? A FÉ NA RESSURREIÇÃO E O CORPO RESSUSCITADO FOGO DO ESPÍRITO VENTO DO ESPÍRITO TIPOS DE ORAÇÃO CASAMENTO DENTRO DE QUATRO PAREDES O ENCONTRO PERFEITO CAVANDO POÇOS PARA O FUTURO HOJE É O DIA! A SANTA CEIA DO SENHOR A PREPARAÇÃO PARA A CEIA NATAL É TEMPO DE... A MISSÃO DE JESUS REVELADA EM SEU NASCIMENTO A CEIA DO SENHOR MÃE É... O AROMA FAMILIAR RESISTINDO AOS VÍCIOS RAZÕES BÍBLICAS PARA NÃO USAR BEBIDAS ALCOÓLICAS QUER PESCAR MAIS? O DOMINGO CRISTÃO X O SÁBADO JUDEU INTELIGÊNCIA EMOCIONAL O MOVER DO ESPÍRITO A VERDADEIRA PAZ PENITÊNCIA O QUE É SER MÃE? O CULTO PAGÃO INTRODUZIDO NA PÁSCOA SEITA- CULTURA RACIONAL OS TORMENTOS DO DIVÓRCIO PROPÓSITOS DE DEUS A MATEMÁTICA NO CASAMENTO AS 4 ESTAÇÕES DO CASAMENTO CASAMENTO BLINDADO EXEMPLO DE MÃE QUANDO DEUS RESPONDE A ORAÇÃO? QUANDO O CÉU SE ABRE MEU BARCO COM CRISTO RUMO AO CÉU O VERDADEIRO SENTIDO DA PÁSCOA O QUE DEUS NUNCA ESQUECE TRANSFORMANDO A TRISTEZA EM ESPERANÇA FORÇAS PARA CONTINUAR DEPENDÊNCIA DIVINA SOBREVIVENDO AOS NAUFRÁGIOS DA VIDA O PLANO DE SALVAÇÃO EVANGELISMO PESSOAL O CAMINHO DO DISCIPULADO DISCIPULANDO DA SEMEADURA ATÉ A COLHEITA CRESCIMENTO ESPIRITUAL EXPERIÊNCIAS COM DEUS O ENCONTRO COM DEUS 3 TIPOS DE SERVOS DE DEUS OS GAFANHOTOS O JEJUM BÍBLICO LIDANDO COM QUESTÕES DIFÍCEIS LUZ DO MUNDO IDOLATRIA A ARMADURA SERES ANGELICAIS O FIM DOS TEMPOS ÁGUA DA ROCHA A VITÓRIA SOBRE O MEDO VENCENDO O MEDO VENCENDO OS COMPLEXOS NUNCA DESISTA! VENCENDO LEÕES, URSOS E GIGANTES TRANSFORMANDO PEDRAS EM BÊNÇÃOS QUEBRAR O CÂNTARO,TOCAR A TROMBETA E ERGUER A TOCHA ORAÇÃO PELA FAMÍLIA VISÃO DA FAMÍLIA PARA DEUS FAMÍLIA PRODÍGIO AS SETE BEM-AVENTURANÇAS DO APOCALÍPSE CONCEITO DE FELICIDADE PARA JESUS SINAIS DO FIM OS ANTICRISTOS O QUE VOU FAZER NO CÉU? INTERPRETAÇÃO DE SONHOS O AVISO DO ATALAIA O CORAÇÃO HUMANO O SELO DO ESPÍRITO ÓLEO DO ESPÍRITO QUEM É O ESPÍRITO SANTO? UMA IGREJA ESPIRITUAL A IGREJA QUE DEUS QUER A RENOVAÇÃO DO CASAMENTO AS BODAS DO CORDEIRO CINCO SENTIDOS DO CASAMENTO TROQUE DE ROUPA CONVERTI, E AGORA? CUIDADO COM AS PEQUENAS COISAS A TRINDADE PROFECIAS SOBRE O NASCIMENTO DE JESUS O SENTIDO DA VIDA A ÁRVORE DA VIDA MAPEAMENTO ESPIRITUAL A LUTA ENTRE A CARNE E O ESPÍRITO O QUE A BÍBLIA DIZ SOBRE CARNAVAL UM LUGAR PARA JESUS NASCER A FAMÍLIA DE JESUS RESGATE SUA FAMÍLIA QUEBRA DE MALDIÇÕES NA FAMÍLIA TRANSFORMANDO MALDIÇÕES EM BENÇÃOS DO VALE DO MEDO PARA O VALE DA BENÇÃO QUATRO COISAS QUE UM LÍDER PRECISA FAZER A PLENITUDE DOS TEMPOS O QUE ACONTECE QUANDO JESUS CHEGA SE PREPARANDO PARA O AVIVAMENTO UMA MESA NO DESERTO ATITUDES DE GRATIDÃO VOCÊ É UM SEGUIDOR OU DISCÍPULO? A RENOVAÇÃO DA ÁGUIA QUANDO AS COISAS VÃO MAL COMO PRATA NO FOGO RECONHECENDO A VOZ DE DEUS DORMINDO NO GETSÊMANI A SEMENTE DA PALAVRA DE DEUSPONTO DE VISTA DA FÉ ORAÇÃO DA FAMÍLIA COMO VENCER UM GIGANTE VENCENDO OBSTÁCULOS A PROVISÃO DO SENHOR INIMIGOS DA FAMÍLIA SACERDÓCIO FAMILIAR COMO ENTENDER A BÍBLIA? PROMESSAS DO SENHOR O SONHO DE DEUS É MELHOR POBRE DE ESPÍRITO O NASCIDO DO ESPÍRITOHONRAR A DEUS SOBRE TODAS AS COISAS CARÁTER DE SATANÁS MULHER VIRTUOSA SEXUALIDADE CRISTÃ PUREZA SEXUAL AMOR INTEGRAL AMOR E TALHERES O CAMINHO DO AMOR DIFERENÇA ENTRE PAIXÃO E AMOR É IMPORTANTE ORAR JUNTO COM OS IRMÃOS? A ESTRELA DE DAVID O QUE A BÍBLIA QUER DIZER COM LIGAR E DESLIGAR?ARRANCANDO A CAPA A PARÁBOLA DO RICO E LÁZARO E A RETRATAÇÃO DA VIDA APÓS A MORTE ESPERIÊNCIAS COM DEUS TEXTOS BÍBLICOS SOBRE POLÍTICA O CONSELHO DE AITOFEL PARA QUE A UNÇÃO? O VERBO DE DEUS SINCRETISMO RELIGIOSO MATEMÁTICA DE DEUS APRENDENDO A ESPERAR O CARCEREIRO DO AMOR EXEMPLO DE HUMILDADEO QUE A BÍBLIA DIZ SOBRE O HALLOWEEM OUVÍR A VOZ DE DEUS ENCONTROS CELESTIAIS! PROVIDÊNCIA NA CRIAÇÃO E PRESERVAÇÃO A MULHER SÁBIA É BOM O BOM COMBATE O QUE ACONTECE QUANDO UMA PESSOA MORRE? COMO ENCONTRAR A IGREJA VERDADEIRA? A MENSAGEM DE DEUS PARA NOSSOS DIAS QUANDO JESUS VOLTARÁ? CASAMENTO DURADOURO INICIANDO UMA VIDA CRISTÃA IGREJA DE CRISTO SERÁ QUE A MAIORIA PODE ESTAR ERRADA? DEUS É JUSTO? O QUE É E ONDE É O INFERNO? O SEGREDO DA ORAÇÃO RESPONDIDA O SEGREDO DA FELICIDADE O VERDADEIRO DESCANSO TESTEMUNHAR PARA CRESCER UM ESTILO DE VIDA SAUDÁVEL DEUS PERDOA OS ADÚLTEROS? SOBERANIA DE DEUS E UNIDADE DA FÉ NA IGREJA AS QUATRO MEDIDAS DO AMOR DE DEUSCRENTES QUE PRECISAM DE SALVAÇÃO OS DEZ MANDAMENTOS - ESTUDANDO O 6° MANDAMENTO ONDE FOI QUE EU ERREI? APRENDENDO A SEMEAR COMO ACONTECEM OS MILAGRES MILAGRES DO NATAL PRESENTES DE NATAL NATAL É TEMPO DE COMUNHÃO NATAL É ... SIGA A ESTRELA SENTIMENTOS DO NATAL LUZES DO NATALPOR QUE CHORAMOS? O QUE É MISSÃO? O FLUIR DE DEUS QUAL A DIFERENÇA ENTRE ALMA E ESPÍRITO DO HOMEM? JUDAS E O TEMPO DO FIM AMBIÇÃO ESPIRITUAL VIDA DE ADORADOR UMA IGREJA MISSIONÁRIA ENDIREITANDO A VIDA O CULTO RACIONAL VOCÊ SABE AGRADECER? DIMENSÕES DO FRUTO DO ESPÍRITOA TROMBETA DE DEUS ENFRENTANDO A SOLIDÃO SUBINDO PARA DEUS A DEFESA DA FÉ A PARÁBOLA DO RICO E LÁZARO E A RETRATAÇÃO DA VIDA APÓS A MORTE ESPERIÊNCIAS COM DEUS






































http://api.ning.com/files/0k7d84xH-Rax6bBVk7GYNxwQ-ay6R8Z1UDwcWLxPlP24XgspWXFWxnJOrgClkod8p7bkKrv4gW646htW2cblnbqoDyFyhLxI/pastoreasovelhas_belverede_eliseuantoniogomes.gif


O BOM PASTOR E AS OVELHAS OBEDIENTES!



Por Gospel+ - Biblia Online








JESUS TE AMA MUITO!




VOCÊ TAMBÉM VAI GOSTAR DE...
































































































































































































































































































































































































































































Google+ Badge